Governador de São Paulo acusa ministro da Saúde de mentir sobre vacinas

18 de Janeiro 2021

O governador de São Paulo, João Dória, defendeu este domingo que a vacina contra a Covid-19 só está no Brasil “porque foi um investimento do governo do estado de São Paulo”, acusando o ministro da Saúde de mentir.

“A vacina do [instituto] Butantan só está em São Paulo e no Brasil porque foi investimento do governo do estado de São Paulo, ministro [da Saúde, Eduardo Pazuello]. Não há um centavo até agora, até agora, do governo federal, para a vacina, nem para o estudo, nem para a compra, nem para a pesquisa. Nada. Chega de mentira, ministro. Trabalhe pela saúde do seu povo, seja honesto”, afirmou João Dória, numa entrevista coletiva, citada pelo Globo.

O ministro da Saúde brasileiro afirmou que, após a aprovação do uso de emergência de duas vacinas no país pelo regulador, na quarta-feira arrancará no país a “maior campanha de imunização” contra a Covid-19 no mundo.

Embora Pazuello tenha anunciado o início da vacinação a nível nacional na próxima quarta-feira, o gabinete do governador de São Paulo antecipou-a e, num ato simbólico e também controverso, uma enfermeira da rede de saúde pública foi inoculada com a primeira dose da vacina ‘Coronavac’, tornando-se a primeira cidadã brasileira a ser imunizada contra o SARS-CoV-2 no país.

Segundo o ministro, o governo de São Paulo cometeu um ato ilegal porque se apropriou de uma vacina pertencente ao governo federal do Brasil para ser utilizada num evento com fins eleitorais, e terá de responder por isto na justiça.

Pazuello acrescentou ainda que o Ministério da Saúde adquiriu todas as vacinas que se encontram no Instituto Butantan e que assinou um contrato de exclusividade para que nenhuma das doses pudesse ser administrada no estado de São Paulo sem autorização.

Na entrevista, João Dória mostrou-se “atónito com as declarações do ministro da saúde do Brasil”.

“Diz o ministro Eduardo Pazuello: ‘as vacinas foram compradas com dinheiro do SUS [Sistema Único de Saúde], do governo federal, e não com o dinheiro do governo de São Paulo’. Ministro, é inacreditável, como ministro do Estado da Saúde, sem o menor zelo com a saúde, sem ser médico, sem ter conhecimento nenhum da saúde, sem planejamento, um desastre completo na saúde, ainda mente ao dizer isso”, afirmou.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou ontem, por decisão unânime dos seus cinco diretores, a utilização de emergência das vacinas do laboratório chinês Sinovac e a desenvolvida conjuntamente pela empresa farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca e pela Universidade de Oxford.

A decisão da Anvisa permite por agora a utilização de seis milhões de vacinas Sinovac importadas da China e que foram embaladas e rotuladas no Instituto Butantan, um órgão dependente do governo de São Paulo, e dois milhões de doses do imunizante AstraZeneca que o Brasil espera receber esta semana da Índia.

Com cerca de 210.000 mortos e 8,4 milhões de casos, o Brasil é o segundo país com mais mortes no mundo associadas à Covid-19, depois dos Estados Unidos, e o terceiro com mais infeções pelo novo coronavírus, depois dos EUA e da Índia.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Centro de Saúde de Óbidos reabre na sexta-feira

O Centro de Saúde de Óbidos vai reabrir na sexta-feira, após uma requalificação de mais de meio milhão de euros financiados Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), informou a Unidade Local de Saúde (ULS) do Oeste.

Papa levado para o hospital para fazer exame médico

O Papa Francisco foi levado hoje a um centro médico ligado do hospital Gemelli, na ilha Tiberina, em Roma, para um exame médico após a audiência geral no Vaticano, disseram fontes do Vaticano à agência de notícias ANSA.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights