PSD critica “falhas injustificáveis” e “excesso de exposição ao contágio” no voto antecipado

18 de Janeiro 2021

 O PSD considerou esta segunda-feira que houve “falhas injustificáveis” e “excesso de exposição ao contágio” durante o voto antecipado em mobilidade, que decorreu no domingo, criticando a maneira “amadora e desleixada” como o processo foi conduzido.

“Houve falhas injustificáveis, deficiente organização e excesso de exposição ao contágio. Milhares de cidadãos eleitores não conseguiram votar”, disse o vice-presidente social-democrata David Justino, em conferência de imprensa, na sede do PSD, em Lisboa.

David Justino criticou também as declarações ministro da Administração Interna sobre o voto antecipado em mobilidade, considerando que a declaração de Eduardo Cabrita “é de tal forma delirante que se cobre de ridículo”.

O governante votou ontem, no Barreiro, distrito de Setúbal, para as presidenciais e considerou que o processo correu bem.

“Eu vejo entusiasmo naqueles quase 250 mil portugueses que se registaram para o voto antecipado, que manifestam uma alegria do voto semelhante à alegria do voto nas primeiras eleições democráticas. Significa que, em tempos muito difíceis, em tempos em que estamos todos concentrados no combate à pandemia, temos de afirmar também os valores da democracia”, referiu o ministro.

O vice-presidente social-democrata acrescentou que o “Governo não pode contribuir para a desmobilização dos eleitores” e também não pode “desvalorizar” as eleições para a Presidência da República.

“Se o Partido Socialista é o derrotado antecipado destas eleições”, prosseguiu, o executivo liderado por António Costa “não poderá enveredar pelo mesmo caminho”.

Respondendo aos jornalistas, David Justino disse que tem “esperança que, da parte do MAI e da CNE, se tenha aprendido com os erros que foram registados e que se possa retificar” o que correu mal para futuros atos eleitorais.

Os eleitores que estão infetados e, por isso, não puderam votar no domingo e estão impedidos de sair de casa para votar no dia 24 de janeiro, assim como os idosos residentes em lares que o desejem, podem votar entre terça e quarta-feira e o voto será recolhido nos lares ou nos locais onde as pessoas infetadas estão a cumprir o isolamento obrigatório.

Contudo, os eleitores que, por via de infeção pelo SARS-CoV-2, fiquem obrigados a estar isolados durante esta semana, estarão impedidos de votar.

Interpelado sobre esta questão, o ‘vice’ do PSD considerou que essas são “situações excecionais que precisam de medidas excecionais”.

No entanto, considerou ser “tarde para adotar essas medidas excecionais e, portanto, aquilo que se está a ver é que não há resposta atempada e antecipada para este tipo de situações, porque ou não foram previstas ou então não se deu o devido valor”.

O social-democrata reiterou que as resoluções das lacunas no processo de votação poderiam ser resolvidas com a introdução do voto eletrónico e por correspondência.

Milhares de eleitores que optaram por exercer o voto antecipado em mobilidade para as presidenciais depararam-se com longas filas e confusão generalizada para encontrar as secções de voto. Há casos reportados de pessoas que aguardaram pelo menos duas horas numa fila para poderem votar.

À luz destes acontecimentos – a Comissão Nacional de Eleições (CNE) reconheceu, inclusive, que houve falhas no processo – o PSD considerou que o Ministério da Administração Interna (MAI) “dispunha de toda a informação para organizar e planear todo o processo” e que o fez “de forma amadora e desleixada” que levou até “à própria desistência” de alguns eleitores.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

Quinze ULS terão equipas dedicadas na área da Saúde Mental

Os primeiros Centros de Responsabilidade Integrados dedicados à Saúde Mental vão arrancar em 15 Unidades Locais de Saúde, numa primeira fase em projeto-piloto e durante 10 meses, segundo uma portaria publicada em Diário da República.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights