Proteção Civil Distrital de Lisboa quer fecho imediato de escolas e maior confinamento

20 de Janeiro 2021

 A Comissão Distrital de Proteção Civil de Lisboa decidiu hoje pedir ao Governo o encerramento imediato das escolas e um alargamento das restrições para forçar a população ao confinamento, face à evolução da pandemia de Covid-19.

O presidente da Câmara de Mafra, Hélder Sousa Silva, que preside à comissão, disse hoje à agência Lusa que foi deliberado recomendar ao Governo, com conhecimento ao Presidente da República, “medidas urgentes para alargar o confinamento da população” e a “suspensão imediata da atividade letiva das escolas”.

Na comunicação, a Comissão Distrital de Proteção Civil defende também uma clarificação do quadro legal de atuação das forças de segurança, com o intuito de melhor conciliarem a fiscalização à Covid-19 e as exceções ao confinamento previstas na lei.

É também pedida a revisão do plano de vacinação contra a Covid-19, para integrar bombeiros e elementos da Cruz Vermelha nas prioridades.

A Comissão Distrital de Proteção Civil preconiza ainda que o Governo integre as Forças Armadas na resposta à pandemia e estabeleça acordos com outros países para a contratação de profissionais de saúde.

Na segunda-feira o Governo anunciou um agravamento das restrições definidas no âmbito do segundo confinamento, que teve início na semana passada, mas decidiu manter abertas as escolas e as universidades. Várias autarquias e representantes escolares têm pedido a reversão desta medida.

Entretanto, também a Distrital de Lisboa do PSD exigiu o encerramento imediato das aulas e atividades presenciais de todos os níveis de ensino a partir do 2.º ciclo, face ao “escalar” do número de casos da Covid-19.

Em comunicado, os sociais-democratas argumentam com o facto de “os mais recentes dados científicos apontarem para a faixa etária dos jovens entre os 18 e os 24 anos como o grupo “com maior incidência de novos casos de Covid-19”, e os jovens dos 13 aos 17 como o terceiro grupo etário com maior incidência acumulada nos últimos 14 dias.

“Impõe-se agora tomar esta medida de encerramento das escolas, que, ainda que seja dolorosa, é crucial para a saúde dos portugueses”, conclui a nota da distrital do PSD.

Portugal registou hoje mais 219 mortes relacionadas com a Covid-19 e 14.647 novos casos de infeção com o novo coronavírus, os valores mais elevados desde o início da pandemia, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

O boletim revela também que estão internadas 5.493 pessoas internadas, mais 202 do que na terça-feira, das quais 681 em unidades de cuidados intensivos, ou seja, mais 11, dois valores que também representam novos máximos da fase pandémica.

O número de internamentos está a subir desde o dia 1 de janeiro, dia em que estavam 2.806 pessoas internadas.

A pandemia de Covid-19 provocou pelo menos 2.058.226 mortos resultantes de mais de 96,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Acordo com os médicos é só para sindicalizados do SIM

Em declarações ao nosso jornal, o Secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos (SIM) admite que o acordo intercalar com o Governo para aumentos salariais destina-se a apenas alguns médicos. Jorge Roque da Cunha deixa um apelo à “amiga e colega” dirigente da Federação Nacional dos Médicos: “Subscrevam, ainda que sob protesto, este acordo”.

OMS pede mais esforços para salvar “um planeta doente”

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), que participará na 28.ª conferência das Nações Unidas sobre alterações climáticas (COP28), que começa esta quinta-feira, pediu aos líderes políticos mais esforços na conferência para salvar “um planeta doente”.

LBP entrega carta de protesto no Ministério da Saúde

A Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) entrega esta quinta-feira no Ministério da Saúde uma carta de protesto para contestar a falta de medidas para responder aos constrangimentos nas urgências dos hospitais e aos problemas financeiros no transporte de doentes.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights