Boris Johnson anuncia que o Reino Unido já administrou mais de cinco milhões de vacinas

21 de Janeiro 2021

O Reino Unido revelou esta quinta-feira que já administrou mais de cinco milhões de doses da vacina Covid-19 desde que iniciou a sua campanha de imunização no início de dezembro.

O anúncio foi feito nas redes sociais pelo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, que agradeceu “o tremendo esforço nacional” que estão fazendo todos aqueles que contribuem para o plano de vacinação.

“Dose a dose, estamos a proteger os vulneráveis e a aproximarmo-nos do objetivo de derrotar o vírus”, afirmou o chefe de governo numa mensagem na sua conta oficial da rede social Twitter.

De acordo com os últimos dados oficiais, publicados hoje, o total de pessoas vacinadas no Reino Unido com a primeira dose chega a 4,97 milhões, enquanto 464.036 já receberam uma segunda dose.

O ministro da Saúde britânico, Matt Hancock, garantiu hoje na Câmara dos Comuns que o país está a administrar 200 doses por minuto, o que permitiu vacinar até hoje dois terços dos residentes em centros para idosos.

“Estamos no caminho certo para cumprir a nossa meta de vacinar os residentes de lares até ao final deste mês, e com sorte, antes disso”, disse Hancock.

A campanha de imunização liderada pelo Reino Unido, que inclui as vacinas da Oxford / AstraZeneca e Pfizer / BioNTech, pretende dar pelo menos uma primeira dose a 15 milhões de pessoas vulneráveis até 15 de fevereiro.

No momento, a vacinação britânica é a terceira melhor do mundo, com 0,42 doses diárias por 100 pessoas, atrás apenas de Israel (1,47) e dos Emirados Árabes Unidos (1,14), segundo o portal “O nosso mundo em dados” [https://ourworldindata.org/coronavirus], desenvolvido pela Universidade de Oxford.

Segundo aquela fonte, estima-se que 6,79% da população britânica já recebeu pelo menos uma dose da vacina Covid-19, enquanto o número de residentes imunizados com as duas doses está em torno de 0,68% do total da população.

Esses números respondem à estratégia do governo britânico de atrasar a segunda dose até 12 semanas, em vez das apenas três recomendadas pelas farmacêuticas, após a primeira inoculação.

Com base na eficácia que a primeira injeção proporcionaria teoricamente, as autoridades britânicas deram prioridade a administrar a injeção inicial o mais rápido possível ao maior número de pessoas e esperar mais tempo para completar a vacina com uma segunda dose.

No entanto, o Reino Unido anunciou esta semana que irá reavaliar o nível de imunidade fornecido pela primeira dose da vacina da Pfizer após dúvidas levantadas por um estudo de cientistas israelitas.

De acordo com o último balanço oficial, o Reino Unido contabilizou até o momento mais de 3,5 milhões de casos de coronavírus e 94.580 mortes por Covid-19 desde o início da pandemia.

A pandemia de vovid-19 provocou, pelo menos, 2.075.698 mortos resultantes de mais de 96,8 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 9.686 pessoas dos 595.149 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights