CDS acusa Governo de ter dado “duas semanas de avanço ao vírus”

22 de Janeiro 2021

O presidente do CDS-PP acusou hoje o Governo de ter dado "duas semanas de avanço" à Covid-19, e considerou que as medidas anunciadas na quinta-feira, como o fecho das escolas, "pecam por tardias".

“Eu acho que as medidas anunciadas pelo Governo ontem [quinta-feira] pecam por tardias, uma vez mais. O Governo continua a demonstrar uma incapacidade de planeamento e previsão que tem custado caro aos portugueses, e cuja fatura se paga com mortes diárias acima dos 150 cidadãos”, afirmou Francisco Rodrigues dos Santos.

Em declarações à Lusa na sede do partido, em Lisboa, o líder centrista acusou o executivo liderado por António Costa de ter dado “mais duas semanas de avanço ao vírus”, ao não ter decretado mais cedo um confinamento mais severo, que fosse “a sério”, e que incluísse o encerramento das escolas, como o CDS defendia.

“Infelizmente, foram precisos três conselhos de ministros no espaço de apenas sete dias para que o Governo corrigisse os erros de previsão e de análise”, criticou, lembrando que o CDS “pediu insistentemente o encerramento das escolas”.

Na ótica de Rodrigues dos Santos, o “Governo teimou, foi arrogante, insistiu no erro, e agora voltou atrás com o pretexto de uma estirpe britânica, que já está em Portugal pelos menos há três semanas”.

“Dá a sensação de ser um barco à deriva no meio de uma tempestade”, frisou.

Apesar de realçar que agora o país “já está muito mais próximo” do confinamento que vigorou no início da pandemia, como defendia o CDS, Rodrigues dos Santos advogou que, ainda assim, são necessárias “medidas auxiliares” como as que o partido tem proposto.

Contratualização de cuidados de saúde privados, aumento da testagem e reforço das equipas de saúde pública, a revisão do plano de vacinação para incluir os idosos com mais de 80 anos na primeira fase, e apoios à economia sem burocracias.

O presidente do CDS-PP apontou ser “óbvia” a razão da “teimosia do Governo”: “O primeiro-ministro no dia 09 de abril prometeu a todos os alunos que no início do ano letivo haveria um computador para cada um, garantindo a universalidade do ensino à distância em Portugal, e uma vez mais o primeiro-ministro incumpriu a sua promessa”.

“Ficou agora exposto que só não avançou imediatamente para o encerramento das escolas porque, uma vez mais, falhou no seu planeamento e nas promessas que fez”, prosseguiu, apontando que “ficou claro e exposto que o Governo não tinha um plano ‘B’ e não se preparou”.

Francisco Rodrigues dos Santos considerou ainda que o Governo “forçou os estudantes a estarem de férias em sua casa”, alertando que “as férias quebram rotinas, horários, métodos de trabalho e também quebram as aprendizagens”, que era o que “importava salvaguardar nesta altura”.

Ressalvando que os especialistas estimam que não vá ser possível controlar a evolução da pandemia em 15 dias, período durante o qual as aulas estarão suspensas, o presidente do CDS-PP questionou por que razão não foram explorados “outros meios alternativos para o ensino à distância”, como por exemplo o regresso da telescola.

“Parece-me claro que, entre o ensino à distância ou não ter ensino rigorosamente nenhum, continua a ser preferível o ensino à distância, ainda que depois tenha de ser compensado, quando a situação for normalizada, com mais aulas presenciais para recuperar algumas aprendizagens”, defendeu.

O líder democrata-cristão acusou também o Governo de “prejudicar aqueles que se prepararam” e tinham condições para o ensino à distância, nomeadamente o ensino particular.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 2.075.698 mortos resultantes de mais de 96,8 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 9.686 pessoas dos 595.149 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

Quinze ULS terão equipas dedicadas na área da Saúde Mental

Os primeiros Centros de Responsabilidade Integrados dedicados à Saúde Mental vão arrancar em 15 Unidades Locais de Saúde, numa primeira fase em projeto-piloto e durante 10 meses, segundo uma portaria publicada em Diário da República.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights