PGR brasileira quer processo contra ministro da Saúde por colapso de Manaus

24 de Janeiro 2021

A Procuradoria-Geral da República do Brasil pediu no sábado ao Supremo Tribunal de Justiça que abra um processo para investigar o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, por possível responsabilidade pelo colapso sanitário de Manaus devido à covid-19.

 O pedido ao Supremo Tribunal Federal foi feito pelo procurador-geral, Augusto Aras, que considerou procedentes as denúncias apresentadas por diferentes partidos políticos contra Pazzuello, pela sua alegada omissão no combate ao coronavírus na maior cidade da Amazónia brasileira.

De acordo com as denúncias da oposição, o ministro teve conhecimento com vários dias de antecedência de que o sistema sanitário de Manaus entraria em total colapso por falta de camas e de oxigénio para atender os doentes com covid-19, e não adotou qualquer medida para evitar o agravamento da situação.

“Tendo em conta a situação calamitosa de Manaus, o procurador-geral considerou necessária a abertura de um processo para investigar os factos”, indicou a Procuradoria num comunicado, no qual explica o pedido ao Supremo Tribunal.

Segundo o comunicado, o pedido foi feito depois de o próprio procurador ter ouvido as explicações do ministro e não as ter considerado suficientes.

O ministro admitiu, num relatório enviado à Procuradoria-Geral, que a empresa White Martins, responsável pelo abastecimento de oxigénio hospitalar no estado do Amazonas, alertou o Ministério da Saúde, em 08 de janeiro, de que não tinha capacidade para responder à elevada procura de oxigénio.

Apesar do alerta, o Ministério da Saúde só em 12 de janeiro colocou em marcha uma operação para enviar oxigénio para Manaus, em aviões militares, e mesmo assim em quantidade insuficiente para evitar o colapso que se deu a partir de 14 de janeiro, quando parte dos doentes ligados a máquinas começou a morreu por asfixia por falta do oxigénio.

No pedido ao Supremo o procurador pede que o tribunal convoque o ministro para ser interrogado e que envie a denúncia à Polícia Federal, para que esta adote as medidas de investigação que considere necessárias.

O colapso sanitário de Manaus, que elevou significativamente as mortes por covid-19, obrigou o Governo brasileiro a montar uma operação para transportar dezenas de doentes com covid-19 para outras cidades e fornecer oxigénio para a cidade em voos diários de aviões militares.

Apesar de ser um dos estados com menor densidade populacional do Brasil, o Amazonas acumula até agora 7.051 mortes e 248.561 contágios por covid-19.

O número de enterros nos cemitérios de Manaus chegou ao recorde de 1.333 nos primeiros 20 dias de janeiro.

O Brasil, com 210 milhões de habitantes, é o segundo país do mundo com mais mortes por covid-19, depois dos Estados Unidos.

Os últimos números oficiais indicam que já morreram 216.445 pessoas, de um total de 8,8 milhões de infeções.

NR/HN/LUSA

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

Quinze ULS terão equipas dedicadas na área da Saúde Mental

Os primeiros Centros de Responsabilidade Integrados dedicados à Saúde Mental vão arrancar em 15 Unidades Locais de Saúde, numa primeira fase em projeto-piloto e durante 10 meses, segundo uma portaria publicada em Diário da República.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights