Relatório mostra que pandemia exacerbou desigualdades entre homens e mulheres

5 de Março 2021

A pandemia de Covid-19 “exacerbou as desigualdades existentes entre homens e mulheres em quase todas as áreas do quotidiano”, regredindo “conquistas duramente alcançadas nos últimos anos”, mostra um relatório publicado esta sexta-feira pela Comissão Europeia.

Esse aumentar das desigualdades existentes entre homens e mulheres aconteceu “tanto na Europa como fora, regredindo conquistas duramente alcançadas nos últimos anos”, lê-se no “Relatório de 2021 sobre a igualdade de género na UE” publicado pela Comissão Europeia.

No documento, é referido que os Estados-membros registaram um “aumento da violência doméstica”, tendo o número de relatos deste tipo de incidentes sido multiplicado por cinco na Irlanda, e tendo-se registado também um aumento de 32% de queixas em França durante a primeira semana de confinamento.

No que se refere à participação das mulheres na linha da frente do combate à pandemia, o relatório da Comissão salienta que 76% do pessoal de saúde e de assistência social são mulheres, uma percentagem que sobe para 86% nos casos de prestadores de cuidados pessoais nos serviços de saúde.

“Com a pandemia, as pessoas que trabalham nestes setores viram um aumento sem precedentes da sua carga de trabalho, dos seus riscos para a saúde e dos desafios que encontram no equilíbrio entre a vida pessoal e profissional”, frisa o relatório.

No âmbito do mercado de trabalho, a Comissão informa ainda que as mulheres estão “sobre-representadas” nos setores mais severamente afetados pela crise e que não conseguem operar em teletrabalho, como as lojas, hospitais e cuidados de saúde.

“As mulheres, especialmente em trabalhos mal pagos ou que requerem poucas qualificações, não estão apenas a experienciar um risco maior de desemprego, mas também mais barreiras para beneficiar dos esquemas de apoio extraordinário que foram estabelecidos para mitigar o impacto desse mesmo desemprego”, é apontado.

Ao maior risco de desemprego e à presença na linha da frente, o executivo comunitário precisa também que o trabalho doméstico continua a ser maioritariamente exercido pelas mulheres: segundo as estatísticas do relatório, as mulheres gastam, em média, 62 horas semanais a tomar conta das crianças (contra 36 horas para os homens) e 23 horas em tarefas domésticas (contra 15 horas para os homens).

Abordando ainda a questão das mulheres em lugares de liderança na UE, a Comissão refere que os homens “superam vastamente” as mulheres “nos órgãos criados para responder à pandemia”.

Neste aspeto, no entanto, Portugal é apresentado pelo executivo comunitário como um bom exemplo, sendo um dos 11 países da UE em que a paridade entre homens e mulheres nos governos corresponde a, pelo menos, 40% de cada género.

Em comunicado, a vice-presidente executiva da Comissão Europeia para os Valores e Transparência, Vera Jourova, reagiu ao relatório, referindo que “as mulheres estão na linha da frente da pandemia e são mais afetadas”, não se podendo a UE “dar ao luxo de regredir” nesta matéria.

“Temos de continuar a lutar por mais justiça e igualdade. É por isso que a UE colocou as mulheres no centro da recuperação e obrigou os Estados-membros a incluir a igualdade de género em investimentos financiados pelo Mecanismo de Recuperação e Resiliência”, afirma a responsável.

Também a comissária para a Igualdade, Helena Dalli, sublinha que a UE está “determinada em aumentar os esforços” e a continuar a “progredir para não permitir um retrocesso em todas as conquistas feitas para a igualdade de género”.

“Apesar do impacto desproporcional nas vidas das mulheres devido à crise da covid-19, temos de utilizar esta situação como uma oportunidade”, destaca a comissária.

Nesse âmbito, a Comissão relembra, numa nota de imprensa, que, apesar da pandemia, “a igualdade de género nunca teve um destaque tão grande na agenda política da UE” e informa que irá criar um Portal de Monitorização da Estratégia para a Igualdade de Género, que visa “acompanhar o progresso” feito pelos Estados-membros nesta matéria.

Lusa/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights