Governo aprova criação de Centro Académico Clínico em Aveiro

10 de Março 2021

A ministra da Saúde, Marta Temido, e o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, assinaram a portaria que cria o Centro Académico Clínico na Universidade de Aveiro, anunciou esta quarta-feira fonte académica.

“Após a reafirmação formal da concordância de todos os membros do consórcio, aguarda-se a publicação em Diário da República”, adianta a Universidade de Aveiro em comunicado.

O recém-criado Centro Académico Clínico, designado Egas Moniz Health Alliance (EMHA), tem por objetivo proporcionar “mais investigação científica, mais cuidados a doentes, maior aproveitamento de sinergias e maior partilha de recursos humanos”.

O consórcio, liderado pela Universidade de Aveiro em parceria com várias instituições ligadas à área da saúde, compromete-se a promover “a modernização e qualificação da educação em saúde, desenvolver ações que promovam cuidados de saúde de qualidade, com base nas contribuições das ciências da saúde básicas e clínicas e dos serviços de ação médica das unidades prestadoras de cuidados de saúde.

As entidades do consórcio vão desenvolver “projetos colaborativos de investigação, através da participação dos seus membros em redes de investigação nacionais e internacionais e em redes de saúde locais focadas na promoção da qualidade de vida”.

“A criação do Centro Académico Clínico de Aveiro decorre da estratégia assumida pela UA para a área da saúde, em articulação com os membros do consórcio, visando a modernização dos serviços e programas de ensino e investigação e assente na coordenação entre as várias áreas de intervenção”, salienta o comunicado.

Para o vice-reitor da UA para a área da investigação, Artur Silva, “a assinatura da portaria é a concretização de um sonho antigo dos membros do consórcio, mas em especial da academia aveirense (…) que remonta a 2016, sendo uma etapa, “ultrapassada com sucesso, a que se segue outra também muito exigente, que culminará com a construção do edifício dedicado ao EMHA”.

O consórcio do EMHA é constituído pelo Centro Hospitalar do Baixo Vouga, o Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga e o Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho, pelos agrupamentos de centros de saúde (ACES) Baixo Vouga e do Baixo Mondego (ARSCentro) e pelos ACES de Entre Douro e Vouga I — Feira/Arouca, de Entre Douro e Vouga II — Aveiro Norte, do Grande Porto VII — Gaia e do Grande Porto VIII — Espinho/Gaia, da Administração Regional de Saúde do Norte.

Lusa/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights