Milhares de cidadãos dos Balcãs migram para a Sérvia para serem vacinados

28 de Março 2021

Milhares de cidadãos da região dos Balcãs vão ser vacinados contra a Covid-19 na Sérvia, único país europeu que tem uma oferta maior do que a procura de vacinas, informaram este domingo os meios de comunicação social locais.

Desde a madrugada de hoje, formaram-se longas filas de pessoas em frente aos postos de vacinação de Belgrado, relatou a televisão N1.

“Não temos vacinas. Esta tem sido a única possibilidade de me vacinar”, declarou um cidadão da Bósnia-Herzegovina.

Muitas pessoas viajaram durante horas, sobretudo da Bósnia-Herzegovina, do Montenegro e da Macedónia do Norte, enquanto outros chegaram no sábado e passaram a noite nos seus carros.

As autoridades informaram que estão disponíveis dez mil doses da vacina da AstraZeneca.

Cerca de 6.500 cidadãos, na sua maioria estrangeiros, foram vacinados no sábado num centro de inoculação improvisado na Feira de Belgrado, informou o vice-presidente da câmara da capital, Goran Vesic.

Durante este fim de semana, cerca de 7.500 empresários da região também já foram vacinados, a convite da Câmara de Comércio da Sérvia.

A Sérvia, com cerca de sete milhões de habitantes, já administrou mais de dois milhões de vacinas, segundo dados da plataforma Our World in Data, e cerca de 810 mil pessoas já foram inoculadas com as duas doses, o que o torna o país mais avançado da Europa Continental em imunizações.

No país, são administradas a vacina chinesa Sinopharm e a russa Sputnik V, além da americana-alemã Pfizer/BioNTech e a anglo-sueca AstraZeneca.

Os outros países da região têm quantidades de doses muito insuficientes.

A Bósnia-Herzegovina, um dos países mais afetados pela pandemia na Europa, acaba de iniciar a campanha de imunização devido à quase total falta de medicamentos.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Sindicatos ouvidos na Comissão de Saúde alertam para “condições muito precárias” no SNS

Os sindicatos dos trabalhadores da saúde falam em “condições muito precárias” para doentes e profissionais. O problema no SNS não é só a carreira: chove dentro de gabinetes, há cadeiras rotas e computadores que não dão resposta. “Não houve investimento na tecnologia como deveria ser”, disse Joana Bordalo e Sá, presidente da FNAM, na Comissão de Saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights