Moderna espera produzir três mil milhões de vacinas em 2022

29 de Abril 2021

O laboratório americano Moderna anunciou esta quinta-feira a intenção de investir no processo de fabricação para conseguir produzir três mil milhões de doses da vacina contra o Covid-19, em 2022.

A empresa que desenvolveu uma vacina com base na tecnologia RNA como a Pfizer/BioNTech fez uma revisão em alta das expectativas para 2021 e diz agora, em comunicado, poder fornecer entre 800 milhões e mil milhões de doses durante 2021.

Em concreto, a Moderna destaca a intenção de investir nas instalações do grupo em Lonza, Suíça, um dos pontos de maior produção da indústria farmacêutica.

No que respeita à Moderna, já tinha sido aprovada em março uma nova linha de enchimento de produtos acabados, em Rovi, Espanha, que vai ser sincronizada com o processo de expansão de substâncias.

Os montantes envolvidos nas operações anunciadas pela empresa não foram divulgados.

“Vemos o vírus a espalhar-se rapidamente, vemos que o vírus está em mutação, estamos a ver novas variantes (…) Temos de assumir a liderança para estarmos prontos, se necessário, para uma terceira dose”, disse hoje o diretor da Moderna para a Europa, Dan Staner, em entrevista à cadeia pública suíça RTS 1.

Os investimentos vão começar a ser aplicados no final de 2021 e no princípio do próximo ano.

A fábrica de Lonza, comunicou, entretanto que vai instalar três novas linhas de produção suplementares em Viège, no cantão suíço de Valais, para duplicar a produção de substâncias destinadas ao fabrico da vacina Moderna.

No princípio da semana, a farmacêutica francesa Sanofi, que está a desenvolver uma vacina própria, anunciou que pretende produzir 200 milhões de doses do composto da Moderna contra o covid-19, para dar resposta aos pedidos de vários países.

Para o efeito, a Sanofi vai envolver a infraestrutura que detém nos Estados Unidos (New Jersey) ao serviço da biotecnologia a partir do mês de setembro.

​​​​​​​A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 3.137.725 mortos no mundo, resultantes de mais de 148,6 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guilherme Veríssimo: “A saúde começa pela boca”

A evidência científica comprova que a má saúde oral está diretamente relacionada com 23 doenças sistémicas, entre elas a diabetes e as doenças cardiovasculares, e cinco tipos de cancro. Esta realidade pode surpreender a maior parte da população, mas não os dentistas. Em entrevista ao nosso jornal, o Médico Dentista, Guilherme Veríssimo, frisa que a “saúde oral não se resume a uma questão estética”, deixando alguns alertas para a importância da correta higienização dos dentes. O médico dentista aproveitou ainda para desmistificar alguns dos principais mitos associados à doença peridontal.

INEM esclarece que chamadas via 112 são descentralizadas

O INEM esclareceu que as chamadas que dão entrada via 112 para o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) são descentralizadas, avançando que hoje de manhã estavam ao serviço 48 técnicos, 24 dos quais em atendimento.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights