América Latina e Caraíbas defendem justa distribuição de vacinas e materiais médicos

27 de Junho 2021

Trinta e três países da América Latina e Caraíbas assinaram uma declaração conjunta, divulgada hoje em Caracas, defendendo uma justa distribuição das vacinas e materiais médicos para combater localmente a pandemia de covid-19.

“Reafirmamos a necessidade de uma imunização universal urgente contra a covid-19, assim como de garantir uma distribuição rápida, equitativa, solidária, não discriminadora e acessível de vacinas, suprimentos e equipamentos que permitam a proteção de todos”, afirmam.

A posição conjunta faz parte da “declaração final” da XIX Cimeira de Chefes de Estado e de Governo dos países que integram a Aliança Bolivariana para os povos da América – Tratado de Comércio do Povo (ALBA-TCP), que decorreu na quinta-feira, na Venezuela.

Na declaração sublinham o compromisso dos países da ALBA-TCP “para mitigar” a propagação da pandemia e reconhecem “os extraordinários esforços do pessoal de saúde para enfrentar a crise sanitária, especialmente o Contingente Henry Reeve de Cuba” que tem cinco produtos candidatos a vacinas.

“Condenamos a campanha de descrédito promovida pelos EUA contra a cooperação médica cubana”, afirmam, congratulando-se pela iniciativa do “banco de vacinas da ALBA-TCP, assim como do banco de medicamentos, para contribuir a melhorar o acesso a materiais médicos, provas rápidas e provas PCR nos países da Aliança”.

A declaração condena ainda o bloqueio dos EUA contra Havana e a inclusão de Cuba na listagem de Estados patrocinadores do Terrorismo, pelo Departamento de Estado norte-americano.

No documento, os países membros da ALBA-TCP ratificam o “compromisso com uma integração genuinamente latino-americana e caribenha que permita enfrentar juntos as reivindicações da dominação imperialista e as crescentes ameaças à paz e à estabilidade regional, com multilateralismo e de acordo com os princípios e propósitos da Carta das Nações Unidas e o direito internacional, em consonância com a proclamação da América Latina e Caraíbas como zona de paz”.

Além disso, sublinham a necessidade de fortalecer a Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribeños (CELAC) e saúdam a instalação de um novo parlamento e a preparação de eleições regionais e municipais na Venezuela, previstas para novembro.

Os países membros da ALBA-TCP ratificam igualmente o “apoio incondicional ao governo sandinista, ao Presidente Daniel Ortega e ao povo da Nicarágua” na defesa da soberania e paz, condenam as tentativas desestabilizadoras dos EUA nesse país e apoiam os esforços regionais para alcançar a igualdade de género e o fim da discriminação dos povos indígenas.

Por outro lado, expressam preocupação por violações aos direitos humanos contra o povo colombiano e acusam o secretário-geral da Organização de Estados Americanos, Luís Almagro, de legitimar ações violentas, intervenções nos assuntos internos e ruturas da ordem constitucional em países da região.

“Reafirmamos total apoio aos países caribenhos no pedido de indemnização pelo genocídio da população nativa, horrores da escravidão e da ‘trata’ [tráfico de seres humanos] transatlântica, e expressamos o nosso compromisso em defender e promover a cultura latino-americana e caribenha, a identidade dos povos da região com particular respeito e promoção das culturas autóctones e indígenas”, afirmam.

Apoiam ainda “potenciar o desenvolvimento da zona económica complementar ALBA – Petro Caraíbas, como modelo produtivo e tecnológico local”.

Por outro lado, “acolhem com satisfação” as relações entre a ALTA-TCP e a ONU, a Comunidade das Caraíbas (Caricom), a Associação de Estados das Caraíbas, a Secretaria-geral do Sistema de Integração Centro-americana, a União Africana e a Liga Árabe. Também com a Comunidade Económica dos Estados de África (CEDEAO), a Comissão Económica para a América-Latrina e as Caraíbas e a Comunidade Euroasiática, entre outras.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

ULS de Braga celebra protocolo com Fundação Infantil Ronald McDonald

A ULS de Braga e a Fundação Infantil Ronald McDonald assinaram ontem um protocolo de colaboração com o objetivo dar início à oferta de Kits de Acolhimento Hospitalar da Fundação Infantil Ronald McDonald aos pais e acompanhantes de crianças internadas nos serviços do Hospital de Braga.

DE-SNS mantém silêncio perante ultimato da ministra

Após o Jornal Expresso ter noticiado que Ana Paula Martins deu 60 dias à Direção Executiva do SNS (DE-SNS) para entregar um relatório sobre as mudanças em curso, o HealthNews esclareceu junto do Ministério da Saúde algumas dúvidas sobre o despacho emitido esta semana. A Direção Executiva, para já, não faz comentários.

FNAM lança aviso a tutela: “Não queremos jogos de bastidores nem negociatas obscuras”

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) disse esta sexta-feira esperar que, na próxima reunião com o Ministério da Saúde, “haja abertura para celebrar um protocolo negocial”. Em declarações ao HealthNews, Joana Bordalo e Sá deixou um alerta à ministra: ” Não queremos jogos de bastidores na mesa negocial. Não queremos negociatas obscuras.”

SNE saúda pedido de relatório sobre mudanças implementadas na Saúde

O Sindicato Nacional dos Enfermeiros (SNE) afirmou, esta sexta-feira, que vê com “bons olhos” o despacho, emitido pela ministra da Saúde, que solicita à Direção-Executiva do Serviço Nacional de Saúde (DE-SNS) um relatório do estado atual das mudanças implementadas desde o início de atividade da entidade.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights