Parlamento pede ao Governo mais investimento no hospital de Setúbal

19 de Novembro 2021

O parlamento pediu esta sexta-feira ao Governo mais investimento no hospital de Setúbal e que avance com a construção de mais três centros de saúde no distrito, nomeadamente no Feijó (Almada), Alto do Seixalinho (Barreiro) e Quinta do Conde (Sesimbra).

Em relação ao hospital de Setúbal, que tem estado no centro de queixas dos profissionais de saúde, por falta de meios, o texto da recomendação ao Governo aprovado hoje, com a abstenção do PS e Iniciativa Liberal e os votos a favor das restantes bancadas, resultou de iniciativas do BE e do PCP.

Na versão hoje aprovada, os deputados pedem ao Governo que “aumente o orçamento do Centro Hospitalar de Setúbal”, que assegure a sua ampliação, que “invista na modernização tecnológica e reforço de equipamentos” e que “crie as condições que permitam a fixação de profissionais de saúde”.

Noutra resolução, os deputados da Assembleia da República pediram, também hoje, ao Governo uma nova urgência básica em Castro Verde, no distrito de Beja, e a construção do novo hospital de Lagos, no Algarve.

Por fim, aprovaram, por unanimidade, a recomendação ao executivo para a criação, no Hospital Sousa Martins, na Guarda, de uma maternidade e de um departamento de saúde materno-infantil, requalificando, para isso, o designado “Pavilhão 5”.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights