Catarina Martins diz que Governo falhará essencial sem medidas para reforçar SNS

24 de Novembro 2021

A coordenadora do BE defendeu esta quarta-feira que “seria falhar ao essencial” se o Governo na quinta-feira apenas anunciasse medidas de responsabilidade individual para combater a pandemia e não avançasse com o reforço urgente de profissionais do SNS.

Catarina Martins esteve hoje reunida, na sede do BE, em Lisboa, com o Sindicato Independente dos Médicos, tendo sido questionada no final pelos jornalistas sobre se espera que o reforço de meios do Serviço Nacional de Saúde (SNS) esteja entre as medidas que o Conselho de Ministros vai decidir na quinta-feira para combater o avanço da pandemia de Covid-19.

“Seria falhar ao essencial se amanhã [quinta-feira] estivéssemos apenas a discutir máscaras e testes e não houvesse medidas sobre o Serviço Nacional de Saúde, sobre a sua capacidade e sobre a fixação de profissionais no Serviço Nacional de Saúde”, avisou.

Na opinião da líder do BE, o SNS “precisa de equipamentos, seguramente, mas sem médicos, sem enfermeiros, sem técnicos não funciona” e pediu que os profissionais de saúde, que “estão exaustos”, sejam respeitados, insistindo que “é preciso mais gente no SNS com urgência”.

“Se as medidas para o momento que estamos a viver forem só medidas de responsabilidade individual perante as pessoas, que as devem ter seguramente, mas que numa população que já está vacinada, não tiverem em conta a necessidade de reforço do SNS, as medidas vão falhar o que é essencial”, reiterou.

Numa população vacinada como a portuguesa, explicou Catarina Martins, “o número de pessoas com doença grave diminui, o que não quer dizer que a pressão sobre o SNS não exista”.

“As pessoas com doença não grave também têm de ser acompanhadas, nomeadamente pelos cuidados primários de saúde e pelos médicos de família e também porque há outras doenças, há outra doença respiratória própria desta época e há todas as situações de saúde aguda que até se têm vindo a agravar no país pela falta de cuidados não Covid”, explicou.

Na perspetiva da coordenadora bloquista, o que está a acontecer na saúde em Portugal “vem dando razão ao Bloco de Esquerda” quando pôs como condição no Orçamento do Estado para 2022 as carreiras do SNS.

“Sabíamos que não podíamos continuar a perder gente no SNS. Ontem o BE repetiu as suas preocupações, o Governo ainda não anunciou nada de novo sobre essa matéria”, referiu, numa alusão à reunião com o primeiro-ministro, António Costa, que termina hoje de ouvir os partidos com assento parlamentar a propósito da evolução da pandemia.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights