Morte de vinte pessoas na Argentina por cocaína adulterada causou tumulto social

4 de Fevereiro 2022

A morte de vinte pessoas na Argentina por consumo de cocaína adulterada adquirida num bairro pobre da província de Buenos Aires causou um tumulto social, destacando a necessidade de intensificar a luta contra o tráfico de droga e a toxicodependência.

Os alarmes soaram na quarta-feira quando os médicos detetaram quatro pacientes no hospital municipal de Hurlingham que tinham morrido devido ao uso de cocaína e foram elaborados relatórios de doentes em hospitais sob a jurisdição da Procuradoria-Geral de San Martin, que se ocupou do caso e emitiu um aviso ao público sobre a circulação de cocaína “altamente tóxica”.

Os pacientes perderam a consciência minutos depois de consumirem a cocaína e chegaram aos hospitais nesse estado, conforme as autoridades indicaram, várias vezes, aos órgãos de comunicação social.

De acordo com fontes policiais citadas pelos meios de comunicação locais, um dos intoxicados admitiu ter comprado a droga nas proximidades de “Puerta 8”, uma favela localizada em Tres de Febrero.

Foi para esta zona que as operações policiais se dirigiram. “Este é um caso sem precedentes”, explicou ao canal TN Francisco Pont Verges, secretário de Política Criminal da Procuradoria-Geral da Província de Buenos Aires, acrescentando que não há registo de casos semelhantes na província.

De acordo com os últimos números da província de Buenos Aires, 20 pessoas morreram em resultado da utilização de cocaína adulterada e 84 foram hospitalizadas, das quais 20 estão com suporte respiratório em hospitais de 12 localidades.

“Estabilizámos a situação. Poderia ter sido uma tragédia maior”, disse o conselheiro-chefe do governo provincial, Carlos Bianco, numa conferência de imprensa.

No entanto, as autoridades sanitárias de Buenos Aires continuam com o alerta epidemiológico, emitido na quarta-feira a todos os seus hospitais.

Também emitiram um aviso sem precedentes àqueles que adquiriram cocaína nas últimas 24 horas, no sentido de não a consumirem ou irem a um centro de saúde se a ingeriram e apresentarem sintomas.

As drogas apreendidas pelas autoridades nas buscas foram encontradas em invólucros de nylon rosa contendo a substância branca no seu interior, disse Pont Verges.

O sistema de justiça está atualmente a realizar testes sobre o componente que foi encontrado nesses invólucros, adicionado à cocaína.

Mas as autoridades provinciais acreditam que poderia ser uma substância contendo opiáceos, devido à resposta favorável dos doentes ao tratamento com Naloxone nos hospitais.

Desde o meio-dia de quarta-feira que a polícia da província de Buenos Aires tem vindo a desenvolver operações na área da chamada “Puerta 8”, às quais foram acrescentadas, durante as primeiras horas da manhã, buscas em várias partes da província.

De acordo com porta-vozes da Procuradoria-Geral de San Martin, seis pessoas foram detidas e foram apreendidas doses de marijuana e cocaína semelhantes às encontradas nas primeiras vítimas.

Durante as primeiras horas da manhã, foram acrescentadas as buscas e apreensões de drogas pelo sistema de justiça federal.

O ministro provincial da segurança, Sergio Berni, disse a vários meios de comunicação que 7.000 a 8.000 doses foram adicionadas hoje às 5.600 doses apreendidas na quarta-feira.

Confirmou também, numa conferência de imprensa, que o chamado “El Paisa”, suspeito de vender as drogas adulteradas, procurado desde 2018, tinha sido detido durante estas operações: “Desfizemos a liderança do bando”, disse.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada

Os trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada (PPP), garante Camilo Ferreira, coordenador da Comissão de Trabalhadores, que recordou, em conversa com o HealthNews, a exaustão dos profissionais naquele modelo de gestão e, como Entidade Pública Empresarial (EPE), a melhoria das condições de trabalho e do desempenho.

Menopausa: Uma doença ou um processo natural de envelhecimento?

A menopausa foi o “elefante na sala” que a Médis trouxe hoje ao Tejo Edifício Ageas Tejo. O tema foi abordado numa conversa informal que juntou diversos especialistas. No debate, os participantes frisaram que a menopausa não é uma doença, mas sim um “ciclo de vida”. 

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights