13/02/2022 | Nacional, Notícias

APIC promove discussão sobre realidade alentejana dos tratamentos para o enfarte agudo do miocárdio

A realidade do tratamento do enfarte agudo do miocárdio no Alentejo será discutida amanhã em Évora, entre as 10h00 e as 12h30, numa sessão organizada pela Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular (APIC) e que reúne profissionais de saúde, representantes de autarquias e instituições que contactam com doentes.

Esta iniciativa surge no âmbito da campanha “Cada Segundo Conta” e das comemorações do Dia Nacional do Doente Coronário, que se assinala a 14 de fevereiro.

“Com esta iniciativa acreditamos que estamos a contribuir para o reconhecimento da importância da atuação face aos tratamentos do enfarte agudo do miocárdio, reforçando o seu papel decisivo. É importante consciencializar as pessoas de que o tratamento deve ocorrer o mais rapidamente possível, após o início dos sintomas, reduzindo, assim, o risco de mortalidade, a reincidência de enfarte e complicações associadas”, explica Eduardo Infante de Oliveira, presidente da APIC.

Lino Patrício, diretor do Centro de Responsabilidade Integrada Cérebro-Cardiovascular do Alentejo, avança que, “todos os anos”, “cerca de 250 doentes fazem o tratamento por angioplastia na fase aguda de enfarte”. “Avaliámos mais de 1.700 doentes com enfarte agudo do miocárdio e verificámos que o tempo designado por «door in, door out» é de mais de 2horas e 30minutos, sendo que o tempo até ao transporte é superior a 1hora. Sabemos que as diretrizes indicam 120minutos como tempo máximo para o doente iniciar a angioplastia. Cabe a todos os profissionais de saúde melhorar estes tempos, porque cada minuto corresponde a vidas perdidas e mais complicações futuras”, acrescenta.

“Em Portugal, a incidência do enfarte agudo do miocárdio continua a ser elevada. É importante a precocidade no diagnóstico (valorização dos sintomas) – o que implicará um tratamento mais rápido com uma redução significativa da quantidade de músculo cardíaco ‘perdido’, o que levará a que os doentes tenham um melhor prognóstico, isto é, que possam voltar a ter uma vida ‘normal’”, alerta João Brum Silveira, coordenador nacional do Stent Save a Life.

A sessão no Palácio de D. Manuel tem o apoio da Câmara Municipal de Évora e do Hospital do Espírito Santo, em Évora, e conta com a participação de representantes de autarquias e de instituições de saúde da região do Alentejo e o testemunho de um doente coronário.

O Alentejo é a mais extensa região do país, apresentando uma rede de referenciação complexa, constituída por três Unidades Locais de Saúde (ULS) – Norte, Centro e Litoral -, contando com quatro hospitais, um hospital central em Évora e um ACS. O Hospital do Espírito Santo de Évora tem prevenção para angioplastia primária há cerca de 10 anos.

Com o objetivo de promover o conhecimento e a compreensão sobre o enfarte agudo do miocárdio e os seus sintomas, alertando para a importância do diagnóstico atempado e tratamento precoce, a APIC desenvolveu a campanha de consciencialização “Cada Segundo Conta”, ainda a decorrer, com o apoio do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e da iniciativa Stent Save a Life, da APIC.

Mais informações sobre a campanha em www.cadasegundoconta.pt.

PR/HN/RA

 

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado.

Share This