Secretário-geral da ONU critica “abdicação criminosa” de líderes face a alterações climáticas

28 de Fevereiro 2022

O secretário-geral da ONU, António Guterres, criticou esta segunda-feira a "abdicação criminosa" dos dirigentes mundiais na luta contra as alterações climáticas, face ao "sofrimento humano" que provocam.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, criticou esta segunda-feira a “abdicação criminosa” dos dirigentes mundiais na luta contra as alterações climáticas. face ao “sofrimento humano” que provocam.

Intervindo na apresentação do mais recente relatório do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas das Nações Unidas, Guterres apontou o documento como um repositório do “sofrimento e uma acusação avassaladora ao falhanço dos líderes mundiais na luta contra as alterações climáticas”, sobretudo no que toca aos países com mais emissões poluentes.

“Quase metade da humanidade vive nas zonas de perigo, hoje e agora. Muitos ecossistemas atingiram o ponto de não retorno. Os factos estão aí e são inegáveis”, afirmou numa mensagem em vídeo, declarando que “esta abdicação de liderança é criminosa”.

António Guterres afirmou que “os culpados são os maiores poluidores mundiais, que pegam fogo à única casa” que a humanidade tem.

O responsável máximo das Nações Unidas referiu que o relatório contém duas verdades fundamentais: “o carvão e outros combustíveis fósseis estão a sufocar a humanidade” e “o investimento em adaptação às alterações climáticas está a resultar e salva vidas”.

No entanto, salientou que o volume de ajuda aos países em desenvolvimento é “claramente inadequado”, alertando que “perder tempo é morrer”.

“Sei que as pessoas em todo o lado estão preocupadas e zangadas. Eu também estou. É tempo de tornar esta zanga em ação”, defendeu.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada

Os trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada (PPP), garante Camilo Ferreira, coordenador da Comissão de Trabalhadores, que recordou, em conversa com o HealthNews, a exaustão dos profissionais naquele modelo de gestão e, como Entidade Pública Empresarial (EPE), a melhoria das condições de trabalho e do desempenho.

Governo quer “articulação virtuosa” entre entidades de saúde

O Governo está a avaliar as atribuições de entidades como a Direção-Executiva do SNS, a DGS e o Infarmed para garantir “uma articulação virtuosa” que consiga diminuir a burocracia e concretizar as políticas de saúde, anunciou hoje a ministra.

Menopausa: Uma doença ou um processo natural de envelhecimento?

A menopausa foi o “elefante na sala” que a Médis trouxe hoje ao Tejo Edifício Ageas Tejo. O tema foi abordado numa conversa informal que juntou diversos especialistas. No debate, os participantes frisaram que a menopausa não é uma doença, mas sim um “ciclo de vida”. 

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights