França anuncia fim da máscara e passe de vacina a partir de 14 de março

3 de Março 2022

O primeiro-ministro francês, Jean Castex, anunciou esta quinta-feira o fim, a partir de 14 de março, do uso obrigatório de máscaras, com exceção dos transportes, e do certificado de vacinação, medidas introduzidas para travar a pandemia da Covid-19.

Numa entrevista ao canal TF1, o primeiro-ministro disse que se manterá em vigor o certificado de vacinação em instituições médicas, como hospitais, e lares de idosos, bem como a obrigação de vacinação que se aplica aos cuidadores.

“A situação está a melhorar graças aos nossos esforços coletivos, graças às medidas que tomámos (..), estão reunidas as condições para uma nova fase de flexibilização das medidas”, justificou o chefe do Governo.

A vaga de infeções pelo coronavírus que provoca a Covid-19 registada durante os primeiros meses do inverno está em declínio há várias semanas, segundo os dados oficiais.

O número de novos casos de contaminação situou-se na quarta-feira em 53.152, contra mais de 70.000 há uma semana, e a pressão também está a diminuir nos hospitais.

A Covid-19, doença respiratória provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 na China, provocou pelo menos 5.952.685 mortos em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada

Os trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada (PPP), garante Camilo Ferreira, coordenador da Comissão de Trabalhadores, que recordou, em conversa com o HealthNews, a exaustão dos profissionais naquele modelo de gestão e, como Entidade Pública Empresarial (EPE), a melhoria das condições de trabalho e do desempenho.

Governo quer “articulação virtuosa” entre entidades de saúde

O Governo está a avaliar as atribuições de entidades como a Direção-Executiva do SNS, a DGS e o Infarmed para garantir “uma articulação virtuosa” que consiga diminuir a burocracia e concretizar as políticas de saúde, anunciou hoje a ministra.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights