Angola quer investimento em agricultura, logística, tecnologia e finanças

7 de Março 2022

O vice-presidente da Câmara Africana de Energia em Angola, Verner Ayukegba, defende que a agricultura, a infraestrutura logística, as telecomunicações e tecnologias, e o setor financeiro são os quatro setores que deverão receber mais investimento externo.

Num artigo publicado no site da CAE, uma organização destinada a captar investimento em África, principalmente na área energética, o vice-presidente em Luanda escreve que a queda dos preços do petróleo a partir de 2014 “desencadeou a perceção de que o modelo económico de confiança excessiva num setor que há muito tempo tem sido a fonte de milhares de milhões de dólares para Angola e levou o país a tornar-se uma das maiores economias de África precisava de mudar”.

A diversificação económica, acrescenta, levou o Governo a lançar reformas dentro e fora do setor petrolífero, e os quatro sectores-chave “que se espera venham a testemunhar investimentos e crescimento rápido nos esforços de diversificação em curso incluem a agricultura, infraestrutura logística, telecomunicações e o setor financeiro”.

A economia de Angola está fortemente assente no petróleo, que representa mais de um terço do PIB e mais de 90% das exportações, mas o Governo tem aprovado um conjunto de reformas para reduzir a dependência desta matéria-prima e evitar o impacto das oscilações dos preços internacionais, que nesta altura estão acima dos 110 dólares por barril, quase o dobro do previsto no Orçamento do Estado para este ano.

“A fim de mitigar o risco de choques externos nos preços do petróleo, bem como reduzir a dependência do país das importações” Angola está, diz a CAE, “a reforçar os esforços para diversificar a economia para além do petróleo e do gás, não só através da ampliação da sua base industrial, oferecendo incentivos fiscais, programas especiais para promover a agricultura, atrair investidores estrangeiros e a criação de zonas de livre comércio, mas também criando mais oportunidades de emprego para a população jovem e em rápido crescimento do país”.

Na agricultura, Verner Ayukegba destaca que “apesar dos desafios trazidos pela pandemia, o setor agrícola de Angola registou um crescimento superior a 5% nos últimos dois anos, oferecendo boas perspetivas de desempenho futuro”.

As infraestruturas logísticas, fundamentais para o desenvolvimento económico, são outra das apostas de Luanda, não só a nível nacional, mas também podendo ser um centro de distribuição a nível regional, beneficiando da localização estratégica da capital angolana.

A terceira área que deverá receber mais investimento externo, prevê Verner Ayukegba, é a das tecnologias e telecomunicações móveis: “As telecomunicações móveis e o acesso à Internet são um catalisador para o crescimento das empresas e do empreendedorismo, e ao ampliar e atualizar as redes de telecomunicações, o Governo procura capacitar as empresas para se tornarem mais eficientes e para que o comércio eletrónico estimule o crescimento económico”.

Sobre o setor das finanças e banca, Verner Ayukegba diz que, depois da turbulência que se seguiu à queda dos preços petrolíferos, em 2014, e que lançou o país para uma recessão económica da qual só agora saiu, o setor oferece boas oportunidades.

“As regras que restringem a propriedade no setor bancário foram flexibilizadas e são suscetíveis de ver investimento no setor de bancos estrangeiros que procuram aumentar a sua pegada africana”, concluiu o empresário, destacando que estes e outros setores estarão em destaque na edição deste ano da reunião sobre o Petróleo e Gás de Angola (Angola Oil & Gas 2022), agendada para o final do ano.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada

Os trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada (PPP), garante Camilo Ferreira, coordenador da Comissão de Trabalhadores, que recordou, em conversa com o HealthNews, a exaustão dos profissionais naquele modelo de gestão e, como Entidade Pública Empresarial (EPE), a melhoria das condições de trabalho e do desempenho.

Governo quer “articulação virtuosa” entre entidades de saúde

O Governo está a avaliar as atribuições de entidades como a Direção-Executiva do SNS, a DGS e o Infarmed para garantir “uma articulação virtuosa” que consiga diminuir a burocracia e concretizar as políticas de saúde, anunciou hoje a ministra.

Menopausa: Uma doença ou um processo natural de envelhecimento?

A menopausa foi o “elefante na sala” que a Médis trouxe hoje ao Tejo Edifício Ageas Tejo. O tema foi abordado numa conversa informal que juntou diversos especialistas. No debate, os participantes frisaram que a menopausa não é uma doença, mas sim um “ciclo de vida”. 

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights