BE acusa Governo de “dizer hipocritamente que nada sabia” sobre violação da lei do aborto

12 de Fevereiro 2023

A coordenadora do BE, Catarina Martins, garantiu este domingo que irá pedir “contas” ao Governo sobre os casos denunciados de hospitais públicos que recusam fazer interrupção voluntária da gravidez (IVG) e criticou quem “hipocritamente diz que nada sabia”.

“Podemos hipocritamente ficar todos muito surpreendidos, mas em 2008 já o Bloco de Esquerda tinha feito um levantamento perguntando a cada instituição de saúde como é que estava a ser respeitado o direito das mulheres e veio a resposta a dizer que não estava a ser respeitado”, disse Catarina Martins.

No Porto, no discurso de encerramento do I Fórum LGBTQI+ que decorre desde sexta-feira na Escola Artística Soares dos Reis, a líder dos bloquistas referiu-se às notícias divulgadas no sábado pelo Diário de Notícias sobre hospitais públicos que violam lei do aborto e garantiu que o BE pedirá contas ao Governo.

“Aqui ninguém está surpreendido. Queremos sim pedir contas. Queremos pedir contas a um Governo que disse que ia garantir que as mulheres tinham os seus direitos respeitados e não fez nada e diz que não sabia”, referiu Catarina Martins.

No sábado, questionado pela agência Lusa sobre esta situação, o Ministério da Saúde referiu que “desconhece casos concretos de recusa de atendimento” e sublinhou que “a disponibilidade de consultas de IVG no Serviço Nacional de Saúde está a ser avaliada”.

Hoje Catarina Martins recordou que esta foi uma das lutas que deu origem à fundação do Bloco de Esquerda e lançou críticas ao ministro da Saúde, Manuel Pizarro.

“Tão simples quanto isso e tão complicado quanto isto. Na verdade o que foi aprovado no parlamento continua sem ser feito e temos até o ministro da Saúde que fica surpreendido porque não sabia que no Serviço Nacional de Saúde há serviços que não estão a cumprir com a lei”, criticou.

Dirigindo-se ao público que antes tinha partilhado vários testemunhos relacionados com LGBTQI+, Catarina Martins usou expressões como “humilhação” e “falta de respeito” para se referir ao tema da IVG e aos alegados incumprimentos e dedicou o discurso às “lutas pela dignidade, pela igualdade e pela liberdade” que, disse, “têm de ser feitas todos os dias”.

“Perguntam porque é que há tantas letras. Estão a dividir-se, quando a luta é a mesma. Sim, a luta é a mesma, mas as opressões são tantas, as opressões têm tantas formas. E cada uma das letras desvenda uma das formas da opressão que ainda não está desvendada e que tem de ser desvendada para ser combatida. Haverá as letras que tiver de haver para dar visibilidade a todas as lutas e para desmascarar todas as opressões”, prometeu.

Lembrando, ainda, que no sábado participou na manifestação que levou a Lisboa milhares de professores, Catarina Martins disse que lutar pela Escolas Pública “é lutar para que todas as pessoas tenham lugar e todas as pessoas tenham direitos”.

Já, num pequeno apontamento dedicado às polémicas em volta da TAP, Catarina Martins terminou o discurso com uma análise ao que chamou de “economia de privilégio”.

“Não nos enganemos. Estamos a viver tempos de enorme desigualdade. Aqui foi feito o apelo para que estejamos presentes com todas as cores das nossas lutas em todas as lutas que ai vêm. Fazemos lutas contra a economia de privilégio. Por estes dias a notícia foi que o David Neeleman comprou a TAP com o dinheiro da própria TAP. A Direita sabia e deixou acontecer. Para quem tem milhões vale tudo. Para quem vive do seu trabalho nunca há nenhuma regra que proteja”, concluiu.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guilherme Veríssimo: “A saúde começa pela boca”

A evidência científica comprova que a má saúde oral está diretamente relacionada com 23 doenças sistémicas, entre elas a diabetes e as doenças cardiovasculares, e cinco tipos de cancro. Esta realidade pode surpreender a maior parte da população, mas não os dentistas. Em entrevista ao nosso jornal, o Médico Dentista, Guilherme Veríssimo, frisa que a “saúde oral não se resume a uma questão estética”, deixando alguns alertas para a importância da correta higienização dos dentes. O médico dentista aproveitou ainda para desmistificar alguns dos principais mitos associados à doença peridontal.

INEM esclarece que chamadas via 112 são descentralizadas

O INEM esclareceu que as chamadas que dão entrada via 112 para o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) são descentralizadas, avançando que hoje de manhã estavam ao serviço 48 técnicos, 24 dos quais em atendimento.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights