Estudo alerta que legalizar uso recreativo de canábis aumenta o consumo sem reduzir criminalidade

9 de Março 2023

 O Conselho Internacional para o Controle de Narcóticos alertou esta quinta-feira que a legalização da canábis para uso recreativo pode levar a um aumento do consumo, principalmente entre os jovens, e não reduzirá a criminalidade associada.

O aviso é feito na mensagem da presidente do Conselho Internacional para o Controle de Narcóticos (INCB, na sigla em inglês), Jagjit Pavadia, no início do relatório anual do organismo, relativo a 2022.

O estudo indica ter analisado “detalhadamente essa tendência entre um pequeno número de governos” e observado “que a legalização da canábis pode causar muitos efeitos negativos na saúde, principalmente entre os jovens”.

O organismo assinala que o uso não medicinal da droga “viola a Convenção Única sobre Estupefacientes de 1961”, que a classifica “como uma substância altamente viciante”.

De acordo com o relatório, em jurisdições onde a canábis foi legalizada para uso recreativo registou-se “um maior consumo” da substância, bem como um “aumento nos efeitos contra a saúde e de transtornos psicóticos” e um “impacto negativo na segurança rodoviária”.

“Cerca de 4% da população global, à volta de 209 milhões de pessoas, usam canábis (dados de 2020)”, o que a torna a “droga ilícita mais utilizada no mundo”, indica o comunicado de divulgação do relatório, adiantando que “o cultivo da planta regista uma tendência de crescimento na última década” e que o número de utilizadores “cresceu 23%”.

A utilização da droga varia bastante consoante as regiões, mas “é maior na América do Norte, na Oceânia e na África Ocidental”.

O INCB chama ainda a atenção para o facto de a legalização resultar numa “menor perceção do risco” do seu uso e “está particularmente preocupado com a expansão da indústria de canábis”, que comercializa produtos à base da droga “de modo atraente para os jovens”, refere Jagjit Pavadia.

Por outro lado, o conselho salienta que são “poucos os dados fiáveis disponíveis sobre o impacto da legalização da canábis para tirar conclusões significativas” e que “a variedade de modelos” utilizados dificulta a transferência de conjuntos de dados de um país para outro e as previsões sobre os sucessos ou falhas de uma eventual legalização.

Recomenda assim que “sejam mais estudados os efeitos do uso de canábis em indivíduos e sociedades antes da tomada de decisões vinculativas de longo prazo”.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights