Moçambique entre países africanos aconselhados a tomar medidas sobre poliomielite

5 de Novembro 2023

A Comissão Regional Africana de Certificação para a Erradicação da Poliomielite (ARCC) aconselhou o Botsuana, Malaui, Moçambique, Tanzânia, Zâmbia e Zimbabué, juntamente com parceiros de saúde, a “resolverem urgentemente” as lacunas na imunidade à poliomielite, para prevenir surtos.

A recomendação, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), seguiu-se “a uma semana de intensas discussões entre parceiros, países e membros da ARCC”, que decorreu em Maputo de 31 de outubro a 03 de novembro, sobre a resposta aos surtos de poliomielite em curso na região.

“Os participantes concordaram que, em 2024, será essencial aumentar a escala e o número de rondas de vacinação na região africana, para reconstruir a imunidade e pôr fim a todos os tipos de poliomielite em África”, explicou a OMS.

De acordo com a presidente da ARCC, Rose Leke, já foram confirmados mais de 300 casos de poliomielite na região africana e quase 250 deteções em amostras de águas residuais, pelo que insistiu na necessidade de “intensificar os esforços relativos à implementação de uma vacinação suplementar de qualidade e atempada”, bem como “vigilância, para aumentar a imunidade da população e garantir a deteção precoce de quaisquer vírus circulantes”.

A ARCC notou igualmente, na declaração final, “o grande progresso alcançado” de Moçambique, “juntamente com os vizinhos Zimbabué, Malaui, Tanzânia e Zâmbia na sua resposta às deteções do poliovírus selvagem tipo 1 (WPV1) em Lilongwe (Malaui) e Tete (Moçambique)”.

“Não foram notificados novos casos há mais de um ano, uma vez que o último caso de WPV1 foi confirmado em agosto de 2022. A ARCC incentivou os países a permanecerem vigilantes, a reforçarem a vigilância e a garantirem que a poliomielite selvagem não encontre um lar em África”, referiu ainda a organização.

A ARCC é um organismo independente criado em 1998 para supervisionar o estatuto de certificação da região africana como livre do poliovírus selvagem autóctone.

A ARCC reúne-se duas vezes por ano para analisar os progressos realizados nas atualizações anuais de certificação de países selecionados sobre as atividades de erradicação da poliomielite em todos os 47 Estados-membros da Região Africana da OMS.

Moçambique não regista qualquer novo caso de poliomielite há sete meses, anunciou em 13 de setembro a Direção Nacional de Saúde Pública, dia em que arrancou a nona campanha de vacinação para crianças e adolescentes em dois anos.

Em comunicado, a Direção Nacional de Saúde Pública explicou que aquela campanha de vacinação, a segunda em 2023, aconteceu “pelo facto de o país estar a registar desde o ano passado casos de poliovírus selvagem (oito casos) e derivados de vacina circulante tipo 1 e 2 (33 casos)”, que provocam a poliomielite.

Contudo, acrescentou, “vale notar que o país está há um ano sem nenhum novo caso de poliovírus Selvagem tipo 1”, em que o último foi registado em agosto de 2023, “há quase sete meses sem nenhum novo caso de poliovírus Derivado de Vacina Circulante tipo 1”, tendo o último ocorrido em fevereiro de 2023, e “há 18 meses sem nenhum caso novo de poliovirus Derivado de Vacina Circulante tipo 2”, depois do caso registado em março de 2022.

A nona campanha de vacinação contra a poliomielite decorreu durante quatro dias em todas as províncias, destinando-se às crianças e adolescentes menores de 15 anos, tendo como grupo-alvo um total 21.749.477 pessoas.

A poliomielite é uma doença infecciosa sem cura que afeta sobretudo as crianças com menos de cinco anos e que só pode ser prevenida com a vacina.

Nalguns casos, pode provocar paralisia de membros.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights