Contraproposta da Fnam responde “ao que os médicos necessitam”

28 de Novembro 2023

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) afirmou hoje que a contraproposta que vai apresentar na reunião com o Governo responde ao que os médicos necessitam para repor o poder de compra, não diferindo muito do reclamado aumento de 30%

“A nossa contraproposta não é muito diferente daquilo que nós já tínhamos apresentado. Acima de tudo, tem por base as 35 horas de trabalho semanal, que deve ser extrapolado para o resto dos regimes de trabalho de uma forma equitativa, transparente e transversal para todos os médicos”, disse a presidente da Fnam aos jornalistas antes de entrar para a 36.ª e última ronda negocial com o Ministério da Saúde.

Segundo Joana Bordalo e Sá, não se trata apenas de uma atualização salarial, mas também de os médicos terem melhores condições de trabalho com a reposição das 35 horas de trabalho semanal, a reposição das 12 horas de urgência e a reposição das férias que foram retiradas aquando da intervenção da ‘troika’.

No seu entender, a proposta da Fnam “é exequível e existe orçamento” para avançar: “Não existe é vontade política por parte deste Governo e por parte desta equipa ministerial”, disse, advertindo que os constrangimentos nas urgências deverão piorar na próxima semana.

Mas a dirigente sindical disse ainda “ter esperança” de que o ministro da Saúde, Manuel Pizarro, “ouça de uma vez por todas as propostas que os médicos têm para salvar, no fundo, o Serviço Nacional de Saúde”.

“É disto que estamos a falar, numa altura em que temos urgências com tanto constrangimento de norte a sul do país e onde também temos meio milhar de médicos jovens internos que não escolheram uma especialidade e que vão optar por ficar fora do Serviço Nacional de Saúde, migrando ou ficando a trabalhar como prestadores de serviços”, salientou.

Questionada sobre as declarações do antigo ministro da Saúde Adalberto Campos Fernandes, que defendeu uma pausa nas negociações, a líder sindical afirmou que “o Serviço Nacional de Saúde não pode esperar mais”, salientando que neste momento o SNS está “depauperado de médicos”.

Lusa/NR

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

708 novos dadores na região do Médio Tejo em 2023

O Serviço de Imuno-Hemoterapia da Unidade Local de Saúde do Médio Tejo (ULS Médio Tejo) colheu, durante os 12 meses de 2023, 6.083 dádivas de sangue nas suas três unidades hospitalares. Foram 708 os novos dadores da região.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights