Hospital de Penafiel coloca 80 doentes em isolamento contaminados por bactéria multirresistente

16 de Maio 2024

O Hospital de Penafiel de Penafiel colocou em isolamento cerca de 80 doentes contaminados por uma bactéria multirresistente, que estão a ser tratados de "forma eficaz", segundo aquela unidade de saúde.

O infecciologista Rogério Ruas, médico naquele hospital do distrito do Porto, explicou hoje aos jornalistas que os doentes estão infetados por uma bactéria conhecida pela sigla EPC, “habitual em ambientes hospitalares”.

“Temos assistido a um aumento de casos desde o início do ano e neste mês tivemos um surto, chegando aos 80 doentes internados colonizados pela bactéria”, afirmou.

Segundo o clínico, dos cerca de 80 casos, “apenas uma pequena porção destes doentes está, de facto, infetada, cerca de 5%”.

A situação foi hoje denunciada pela Ordem dos Enfermeiros, em comunicado, alertando para as dificuldades observadas no hospital devido ao surto, com 20% dos cerca de 450 doentes internados estão contaminados.

Rogério Ruas assinalou que aquela bactéria existe no hospital “como noutros do país”.

“É normal, há alguns para cá, os hospitais terem um aumento de casos e depois de diminuição. É cíclico e, neste momento, estamos a ter essa situação”.

Anotou, ainda, que se está a usar antibióticos de última linha no tratamento, tratando-se de “um tratamento eficaz”.

“Por essa razão é que queremos controlar a disseminação dessas bactérias, que é o que estamos a tentar fazer neste momento”, acrescentou.

Um dos procedimentos adotados é que os doentes com fatores de risco são rastreados na admissão no hospital e, explicou, “dependendo se são positivos ou não, já são diretamente alocados à enfermaria de isolamento de contacto”.

Questionado sobre as críticas da Ordem dos Enfermeiros, segundo a qual a insuficiência daqueles profissionais, nomeadamente no serviço de urgência, pode ter contribuído para o surto, referiu que no Hospital Padre Américo “a pressão nas urgências é contínua”.

“O que implica esta situação é mais uma mudança na forma como alocamos estes doentes. Essa pressão é antiga e não é de agora. Estamos focados nesta situação. Temos estas medidas que continuam a funcionar e continuaremos atentos a monitorizar a situação nos próximos dias”, anotou.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

José Albino é novamente presidente da Respira

Os associados da Respira – Associação Portuguesa de Pessoas com DPOC e outras Doenças Respiratórias Crónicas elegeram, no passado dia 6 de junho, a nova direção para o quadriénio 2024-2027. José Albino e Paula Duarte iniciam agora o mandato na qualidade de presidente e vice-presidente, respetivamente.

Dermatite atópica: Novos dados sobre upadacitinib

A AbbVie anuncia os resultados do LEVEL UP, um estudo de Fase 3b/4, aberto (mas com ocultação para o avaliador) e comparativo que avaliou a eficácia e a segurança de upadacitinib (com dose inicial de 15 mg uma vez por dia e ajuste da dose com base na resposta clínica) comparativamente a dupilumab (na dose aprovada) em adultos e adolescentes (com idade ≥ 12 anos) com dermatite atópica (DA) moderada a grave que tiveram uma resposta inadequada à terapêutica sistémica ou quando a utilização desse tipo de terapêuticas era desaconselhada.

Guilherme Veríssimo: “A saúde começa pela boca”

A evidência científica comprova que a má saúde oral está diretamente relacionada com 23 doenças sistémicas, entre elas a diabetes e as doenças cardiovasculares, e cinco tipos de cancro. Esta realidade pode surpreender a maior parte da população, mas não os dentistas. Em entrevista ao nosso jornal, o Médico Dentista, Guilherme Veríssimo, frisa que a “saúde oral não se resume a uma questão estética”, deixando alguns alertas para a importância da correta higienização dos dentes. O médico dentista aproveitou ainda para desmistificar alguns dos principais mitos associados à doença peridontal.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights