Vacina da Universidade de Oxford vai ser testada no Brasil

5 de Junho 2020

A vacina contra a Covid-19 em que trabalham os cientistas da Universidade de Oxford será testada no Brasil, pelo nível de infeção naquele país, revela esta sexta-feira o The Times.

Com o declínio nos casos de coronavírus no Reino Unido, os cientistas precisam de um local com maior nível de infeção pelo vírus para demonstrar se é eficaz ou não.

O diretor executivo da farmacêutica AstraZeneca, Pascal Soriot, cuja empresa chegou a um acordo com Oxford para eventualmente fabricar milhões de doses, disse ao jornal que o maior problema agora é que “a doença está a diminuir”.

Sorior adiantou ainda que no próximo mês de agosto será possível saber se a vacina em que Oxford trabalha será eficaz.

“Mas, mais uma vez, quero lembrar a todos que dependemos de algo que não podemos controlar, que é o nível de infeção”, acrescentou.

Os especialistas do Instituto Jenner, da Universidade de Oxford, começaram a desenvolver a vacina em chimpanzés em janeiro passado e, atualmente, estão a trabalhar nas fases clínicas.

A universidade está a realizar ensaios clínicos envolvendo 10.000 voluntários do Reino Unido.

No mês passado, a AstraZeneca mostrou-se confiante de que pode fornecer 100 milhões de doses da vacina de Oxford – se tiver os resultados esperados – no Reino Unido, em setembro ou outubro.

De acordo com os dados oficiais mais recentes do Ministério da Saúde, o Reino Unido registou 176 novas mortes por Covid-19 na quinta-feira, atingindo um total de 39.904 desde o início da pandemia.

O Brasil conta já com 32.548 mortes e mais de 584 mil casos de pessoas infetadas.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (107.685) e mais casos de infeção confirmados (mais de 1,8 milhões).

Na quinta-feira, países, empresas e entidades de todo o mundo comprometeram-se a contribuir com 8,8 mil milhões de dólares (7,8 mil milhões de euros) em cinco anos para a Aliança Mundial para Imunização e Vacinação (GAVI), para promover a vacinação infantil nos países em desenvolvimento e a luta contra a Covid-19.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 387 mil mortos e infetou mais de 6,5 milhões de pessoas em todo o mundo.

Mais de 2,8 milhões de doentes foram considerados curados pelas autoridades de saúde.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Estudo propõe critérios para atualização periódica do pagamento da hemodiálise

O estudo “Preço compreensivo da hemodiálise em Portugal”, do especialista em economia da saúde Eduardo Costa, conclui que a introdução de um modelo dinâmico de preço compreensivo e a eventual revisão do modelo de gestão integrada da doença renal crónica serão instrumentos cruciais para garantir a continuidade da excelência dos cuidados de hemodiálise.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights