Espinho deteta “potencial cadeia de transmissão” no bairro piscatório da Marinha

12 de Junho 2020

A Câmara Municipal de Espinho identificou hoje "uma potencial cadeia de transmissão ativa de covid-19" no bairro piscatório da Marinha, na freguesia de Silvalde, tendo já procedido ao confinamento dos envolvidos e identificado terceiros eventualmente contaminados.

Segundo fonte da autarquia, “a situação está a ser acompanhada pelos Serviços Municipais de Proteção Civil, pelas Autoridades de Saúde e pelas Forças de Segurança”, estando a contaminação já “circunscrita” de acordo com as orientações sanitárias vigentes – o que implica agora a realização de testes de rastreio a “todos os contactos identificados”.

Joaquim Pinto Moreira, presidente da autarquia, admitiu à Lusa que, ao contrário de outros casos detetados no município, esta cadeia de transmissão “envolve uma família inteira”, particularmente “conhecida no bairro piscatório” e, por isso, com uma extensa rede de contactos.

Nessa perspetiva, “a situação está a ser acompanhada de perto e em permanência pelas autoridades competentes”, mas o autarca defende que o caso “não justifica, para já, outras medidas para além das que estão a ser tomadas pelas autoridades de saúde e pelos Serviços Municipais”.

Pinto Moreira apela assim à “serenidade e responsabilidade nesta altura”

A evolução epidemiológica do vírus SARS-Cov-2 no concelho de Espinho continua a registar uma tendência de crescimento, embora essa se verifique a um ritmo lento e por vezes sem alterações por alguns dias.

Segundo dados da autarquia, esse território de 21,4 quilómetros quadrados registava hoje ao final da tarde um total acumulado de 05 óbitos e 111 casos de infeção entre os seus 33.000 habitantes.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Estudo propõe critérios para atualização periódica do pagamento da hemodiálise

O estudo “Preço compreensivo da hemodiálise em Portugal”, do especialista em economia da saúde Eduardo Costa, conclui que a introdução de um modelo dinâmico de preço compreensivo e a eventual revisão do modelo de gestão integrada da doença renal crónica serão instrumentos cruciais para garantir a continuidade da excelência dos cuidados de hemodiálise.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights