Esquadra de Caxias junta jovens e polícias para combater preconceitos

13 de Junho 2020

Na esquadra de Caxias, no concelho de Oeiras, um projeto social está a juntar jovens de um bairro desfavorecido e agentes da PSP, que ao partilharem atividades e momentos de lazer quebram preconceitos e desconfianças.

O projeto “Gira no Bairro” nasceu há cerca de um ano, pelas mãos da associação Mundos de Papel, e desenvolve-se, sobretudo, com jovens do bairro social Sá Carneiro, localizado em Caxias, no distrito de Lisboa.

No entanto, o projeto abrange igualmente outros jovens e instituições da zona de Caxias, como é o caso do Centro Educativo Padre António Oliveira.

Estes jovens, com idades compreendidas entre os 13 e os 18 anos, têm uma sala dentro da esquadra da PSP de Caxias, na qual desenvolvem várias atividades e abordam temas sobre as questões do racismo, violência policial e injustiça social.

“É uma iniciativa que é pioneira e inovadora e que tem como principal objetivo gerar mudanças e construir uma relação sólida entre os jovens, a comunidade e os agentes da PSP. No fundo, quebrar preconceitos e estereótipos”, explicou à agência Lusa a coordenadora do projeto, Ana Santos.

A responsável da associação Mundos de Papel admitiu que no início do projeto lidou com alguma “resistência e desconfiança”, mas que atualmente “já se notam grandes diferenças e o ambiente é de cumplicidade”.

“No início, os jovens não queriam ir e achavam que iam ser presos. Do lado da PSP também havia alguma desconfiança. Hoje jogam consola juntos, jogam futebol e adoram vir para a esquadra”, contou.

Ana Santos sublinhou que esta interação entre os jovens e a PSP “está a ser também muito importante para mudar a perceção de toda a comunidade do bairro”.

“Hoje, os agentes passam no bairro quando estão a fazer a patrulha e há vários acenos de mão. A polícia deixou de ser vista como o inimigo e os jovens como meros delinquentes. Está a ser muito gratificante ver as mudanças”, apontou.

As atividades desenvolvidas entre os jovens e a PSP decorrem também no exterior da esquadra de Caxias, tendo-se realizado algumas visitas a museus, jogos de futebol, parques e aventuras e eventos culturais.

Atualmente, numa altura em que o país enfrenta a pandemia da covid-19, as visitas à esquadra ficaram suspensas, mas não a ligação entre os jovens e os agentes, que se continua a alimentar virtualmente.

“Temos um grupo no ‘whatsapp’ e é muito engraçado ver como os jovens pedem ajuda e fazem pergunta aos agentes”, contou.

Desde junho de 2019 aderiram a este projeto mais de 70 jovens e de 30 agentes da PSP, num total de 300 sessões, tendo o apoio de cerca de 30 voluntários.

“Estou convencida de que este é o caminho e que estas devem ser as esquadras do futuro. Não queremos alimentar ódios, mas sim contribuir para um ambiente saudável e de cooperação entre todos”, acrescentou.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

Quinze ULS terão equipas dedicadas na área da Saúde Mental

Os primeiros Centros de Responsabilidade Integrados dedicados à Saúde Mental vão arrancar em 15 Unidades Locais de Saúde, numa primeira fase em projeto-piloto e durante 10 meses, segundo uma portaria publicada em Diário da República.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights