Médicos na Rússia ameaçados por denunciarem a falta de condições no trabalho

15 de Junho 2020

A organização Human Rights Watch denunciou esta segunda-feira que os trabalhadores do setor da saúde na Rússia estão a ser ameaçados e retaliados pelos seus empregadores por exporem as más condições de trabalho durante a pandemia de Covid-19.

Num comunicado, a organização não-governamental (ONG) Human Rights Watch (HRW) referiu que as condições de insegurança para estes trabalhadores do setor da saúde incluem a falta de equipamento de proteção individual adequado para tratar com segurança pacientes suspeitos ou confirmados com Covid-19 e impedir a propagação da doença.

“Em vez de ouvir e tentar resolver as preocupações legítimas dos trabalhadores da saúde sobre questões de segurança, empregadores e superiores adotaram medidas disciplinares ou até processaram os funcionários por se manifestarem”, disse Hugh Williamson, diretor para Europa e Ásia Central da HRW, citado na nota.

A HRW refere igualmente que as promessas do Governo para resolver a falta de proteção não se materializaram totalmente, e que, por isso, os trabalhadores continuam a enfrentar riscos para a saúde, quando a transmissão do vírus na comunidade permanece alto.

“Os trabalhadores da saúde da linha de frente devem ser capazes de relatar as condições perigosas pelas quais sofrem sem serem ameaçados, demitidos ou processados”, acrescentou ainda Williamson.

A HRW referiu que entrevistou 14 trabalhadores da saúde de 11 regiões, incluindo Moscovo e São Petersburgo, entre 15 de maio e 01 de junho de 2020, incluindo 11 mulheres.

Estes trabalhadores são pessoal médico, paramédicos, enfermeiros, além de um representante de um sindicato de trabalhadores da saúde e o chefe de uma organização de caridade que fornece equipamentos de proteção individual a hospitais.

No final de maio, o Ministério da Saúde da Rússia reconheceu pela primeira vez a morte de 101 profissionais de saúde desde o início da pandemia, embora outras fontes tenham apontado o número de mortos entre os médicos em mais de 300.

A situação levou muitos trabalhadores da saúde a deixarem os seus locais de trabalho, a protestar publicamente ou a supostos suicídios, sendo que três médicos caíram pela janela entre abril e maio.

A Rússia, que contabiliza 6.948 mortos, é o terceiro país do mundo em número de infetados, depois dos EUA e do Brasil, com mais de 528 mil.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 431 mil mortos e infetou mais de 7,8 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Em Portugal, morreram 1.517 pessoas das 36.690 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

ULS de Braga certifica mais 35 profissionais no âmbito do Programa Qualifica AP

A Unidade Local de Saúde de Braga (ULS de Braga) finalizou, esta semana, o processo de certificação de mais 35 profissionais, no âmbito do Programa Qualifica AP, uma iniciativa desenvolvida em parceria com a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), através do Centro Qualifica AP.

PCP apresenta medidas para “inverter a degradação” do SNS

O PCP apresentou esta sexta-feira algumas medidas urgentes para “inverter a degradação” do Serviço Nacional de Saúde (SNS), criticando as “políticas de vários governos” de PS, PSD e CDS, que abriram “caminho para a destruição” daquele serviço público.

DE-SNS mantém silêncio perante ultimato da ministra

Após o Jornal Expresso ter noticiado que Ana Paula Martins deu 60 dias à Direção Executiva do SNS (DE-SNS) para entregar um relatório sobre as mudanças em curso, o HealthNews esclareceu junto do Ministério da Saúde algumas dúvidas sobre o despacho emitido esta semana. A Direção Executiva, para já, não faz comentários.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights