Mortalidade aumentou nas primeiras seis semanas de desconfinamento

18 de Junho 2020

De acordo com um barómetro realizado, entre 3 e de maio e 13 de junho, pela Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), houve uma subida de 8% no número mortes que estavam previstas em Portugal. Especialistas garantem que “é pouco provável” que o aumento do número de óbitos possa ter sido causado pela Covid-19.

Nas primeiras seis semanas de desconfinamento morreram em Portugal 11.124 pessoas, mais 807 do que os 10.31 óbitos que seriam de esperar nesse período, tendo em conta a mortalidade dos últimos 6 anos. A ENSP explica que “é possível que este aumento de mortalidade esteja associado a casos de doença crónica grave cuja investigação e tratamento possam ter sido adiados devido à pandemia de Covid-19, porque os doentes evitaram procurar os serviços, ou porque as listas de espera adiaram os diagnósticos e tratamentos para além do prazo em que poderiam ter sido efectivos”.

Durante esse mês e meio, observaram-se 474 mortes (4%) associadas à Covid-19 e 10 650 (96%) por outras causas naturais. Se não tivesse havido as mortes por Covid-19, teria havido registo de 333 (3%) óbitos acima do que seria de esperar, com base na média dos últimos seis anos. “Gostaríamos de saber mais sobre as causas desses óbitos, mas os dados disponibilizados pelo Ministério da Saúde não permitem fazer análises por grupos diagnósticos mais detalhados”, afirma a ENSP.

A instituição acrescenta que “a hipótese de que um grande número destes óbitos possa ter sido causado pela Covid-19, mas não terem sido classificados como tal, é pouco provável. Em Portugal, e durante este período, vigorou uma política de testagem muito ampla, incluindo testes a pessoas que morreram em casa e a aceitação de um diagnóstico clínico de Covid-19 relativamente abrangente, mesmo sem confirmação laboratorial”.

A hipótese de que este aumento de mortalidade possa estar associado a casos de doença aguda grave que não procuraram os serviços de saúde atempadamente ou que não foram adequadamente atendidos pelos mesmos é uma possibilidade que a ENSP descarta, já que na altura “os serviços de urgência, incluindo as unidades de cuidados intensivos, estavam bem abaixo do nível de saturação e já se verificavam alguns sinais de retoma da atividade assistencial (consultas, exames, cirurgias, etc..)”.

É neste sentido que o aumento de “mortes colaterais” durante o desconfinamento da pandemia pode estar associado “a casos de doença crónica grave cujo diagnóstico e tratamento possam ter sido adiados devido ao combate da Covid-19, porque os doentes evitaram procurar os serviços, ou porque as listas de espera adiaram os diagnósticos e tratamentos para além do prazo em que poderiam ter sido efectivos”.

A análise ajustou-se com base no modelo ARIMA entre 1 de janeiro de 2015 e 31 de maio de 2020, com o objetivo de estimar as mortes esperadas para o período de mortalidade da Covid-19, se não houvesse pandemia. Os especialistas compararam a mortalidade observada e a esperada.

PR/HN/ Vaishaly Camões

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Sociedade Portuguesa de Dermatologia e Venereologia promove reunião de Verão em Évora

Nos próximos dias 28 e 29 de junho, a Sociedade Portuguesa de Dermatologia e Venereologia (SPDV) realizará a sua Reunião de Verão no Hotel Vila Galé, em Évora. O evento é uma oportunidade para dermatologistas e profissionais da área compartilharem conhecimentos, debaterem os últimos avanços na especialidade e fortalecerem laços profissionais

SIM e Secretaria da Saúde dos Açores avançam em negociações para melhorar condições de trabalho dos médicos

Os Sindicatos Médicos e a Secretaria Regional da Saúde dos Açores (SRSA) estiveram reunidos no passado dia 4 para discutir questões relacionadas com condições de trabalho dos médicos na região. Embora a reunião não tenha resultado na implementação imediata de medidas específicas para a melhoria dessas condições, diversos aspetos do processo negocial foram revistos e acordados, prometendo tornar as futuras negociações mais céleres e eficazes.

Preveris é a nova marca de prevenção em saúde

A Preveris, uma empresa do Grupo CUF, resulta da união de duas marcas de sucesso: SAGIES e Atlanticare. Com uma experiência acumulada de mais de 50 anos e o legado de experiência, rigor e confiança do Grupo CUF, esta união representa a soma desse conhecimento, numa nova marca que se coloca ao serviço da prevenção, da saúde e do bem-estar das empresas portuguesas. Operadora líder de mercado no setor da saúde ocupacional em Portugal, a Preveris é responsável por servir 25 por cento das 100 maiores empresas que atuam no nosso país.  

ENSP NOVA e NTT DATA estabelecem parceria para potenciar a inovação em saúde

A Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade NOVA de Lisboa (ENSP NOVA) e a consultora global de negócio e tecnologia NTT DATA fornalizaram esta quarta-feira um protocolo de colaboração que vai permitir impulsionar a formação avançada, o desenvolvimento de investigação e projetos de inovação na área da saúde. O objetivo é promover avanços significativos no setor.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights