Uso de máscara na rua é obrigatório a partir de hoje na Madeira

1 de Agosto 2020

O uso obrigatório de máscara em todos os espaços públicos na Madeira entrou em vigor às 00:00 horas de hoje, coincidindo com o início da prorrogação da situação de calamidade no arquipélago, até 31 de agosto.

A medida foi anunciada pelo Governo Regional, de coligação PSD/CDS-PP, na terça-feira e motivou polémica, sobretudo no que diz respeito ao suporte legal e à proporcionalidade face à situação epidemiológica da região, com apenas nove casos de covid-19 ativos, num total de 106 registados.

O executivo coloca, no entanto, o foco na prevenção e na defesa da saúde pública, justificando a resolução com o perigo de contágio resultante da entrada prevista de 150 mil turistas nos próximos dois meses e do recomeço das aulas, em setembro, que movimenta cerca de 43 mil alunos e seis mil professores.

“A obrigação do Governo é dar prioridade absoluta à salvaguarda da saúde e da vida dos madeirenses. O nosso compromisso é esse. Estes são os valores cimeiros”, disse Miguel Albuquerque, na sexta-feira, reforçando: “Depois, a questão da legalidade, logo se vê.”

O uso obrigatório de máscara em “todo o tipo de espaço público” não é, porém, consensual, tendo a direção da Associação Comercial e Industrial do Funchal (ACIF) considerado que a resolução foi comunicada de forma “desastrosa” e provocou prejuízos turísticos superiores a 100 mil euros em cancelamento de reservas.

Por outro lado, o líder do PS/Madeira, o maior partido da oposição regional, Paulo Cafôfo, afirmou que a prorrogação do estado de calamidade e a obrigatoriedade do uso de máscaras são “negativas para o turismo”, por transmitirem uma “imagem de insegurança” deste destino.

O antigo presidente do Governo Regional Alberto João Jardim utilizou, por seu lado, a rede social ‘Twitter’ para afirmar que a região “não pode legislar” em matéria de direitos, liberdades e garantias individuais, “muito menos por resolução do executivo”.

E reforçou: “Arrisca procedimento criminal qualquer agente, identificado, que atente contra tais liberdades”.

Entretanto, no portal ‘Petição Pública’ decorre uma petição “contra a obrigatoriedade do uso de máscara na rua”, que reúne já mais de 5.000 assinaturas.

A resolução do governo prevê várias exceções, como “a prática desportiva”, “a realização de atividade física e/ou lazer que envolva a realização de esforço físico” e “atividades lúdico-desportivas em espaço florestal e percursos pedestres recomendados”, bem como em “praias, zonas e complexos balneares e acessos ao mar, com exceção das instalações sanitárias”.

As crianças até aos 10 anos e as pessoas incapacitadas (com dificuldade em colocar/retirar a máscara sem assistência) não têm de usar máscara nos espaços públicos.

O comando regional da Polícia de Segurança Pública (PSP) indicou, em comunicado, emitido na sexta-feira, que “não deixará de atuar” nos termos da lei penal, nas “situações de desobediência ou resistência às ordens legítimas” determinadas pelos seus agentes.

O objetivo é “garantir o cumprimento desta e das demais obrigações legais relativas à situação epidemiológica covid-19”.

A PSP sublinha que incidirá a ação, em especial, sobre grupos de pessoas que, não pertencendo ao mesmo agregado familiar, se encontrem na via pública sem máscara ou viseira.

A autoridade policial destaca, no entanto, que tem privilegiado uma “atuação pedagógica e sensibilizadora” no âmbito da crise pandémica e que aplicará o mesmo modelo no cumprimento desta “nova obrigatoriedade”.

A Madeira mantém o total de 106 casos de covid-19, já com 97 recuperados e apenas nove ativos, segundo dados divulgados na sexta-feira pelo Instituto de Administração da Saúde (IASAÚDE).

O primeiro caso de infeção pelo novo coronavírus no arquipélago foi sinalizado no dia 16 de março.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla” de Emanuel Ribeiro abre em Lisboa

O artista Emanuel Ribeiro apresenta três das suas mais impactantes obras – “À Deriva”, “Grito Mudo” e “Libertação” – na exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla”. Organizada pela Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla (SPEM), com o apoio da Merck e do El Corte Inglés (ECI), a exposição visa retratar as complexidades, desafios e triunfos da vida com esclerose múltipla.

Futuros nutricionistas enfrentam “tubarões” no Teatro Thalia

A NOVA Medical School vai trazer para a academia o conhecido modelo de captação de negócio ‘Shark Tank’, dia 28 de junho no Teatro Thalia, em Lisboa, proporcionando uma plataforma para os alunos finalistas da Licenciatura em Ciências da Nutrição se apresentarem ao mercado de trabalho.

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights