Casais separados na pandemia criam movimento global

2 de Agosto 2020

A crise causada pela pandemia de covid-19 afetou todo o planeta e transformou-se numa barreira extra para casais formados por pessoas que estão em países diferentes e cujo contacto ficou limitado com o fecho das fronteiras.

“Sem amor a gente não é nada”, resumiu Erika Tamires Costa, 29 anos, faz parte de grupos criados nas redes sociais dentro de um movimento global chamado Love is not Tourism (Amor não é Turismo), nos quais casais e famílias separadas pela pandemia contam as suas histórias e lutam para rever as pessoas amadas de quem estão distantes por causa das limitações às viagens.

A brasileira contou à Lusa que conheceu o português José Lourenço no ano passado no trabalho, apaixonou-se e, em seis meses, já moravam juntos em São Paulo.

Em fevereiro foi pedida em casamento e deveria estar hoje com a aliança no dedo a viver na cidade do Porto. Mas sua história de amor foi interrompida pela pandemia e o noivo, que viaja com frequência, regressou de um compromisso profissional em Cabo Verde para Portugal, em março, sem conseguir depois viajar para o Brasil.

“Antes da pandemia a gente tinha um relacionamento muito tranquilo, muito divertido (…) No dia 3 de fevereiro ele me pediu em casamento, começámos a nos organizar para casar no dia 23 de maio, mas ele trabalha muito, teve que viajar e nesta altura as fronteiras se fecharam”, contou Erika.

A brasileira tentou viajar para Portugal em abril, mas não pode embarcar no avião porque não é casada e não reside no país, que deverá conhecer pela primeira vez quando as fronteiras reabrirem.

“É difícil porque a distância é fria (…) você sente uma dor muito forte, muito grande, não tem como explicar o que é uma saudade, que é uma coisa que você sabe que está lá, mas não sabe quando vai poder ver, quando vai poder abraçar”, acrescentou.

Outra apaixonada que viu seus planos irem por água abaixo é a brasileira Bárbara Lopes de Melo, 23 anos, que namora um francês, a viver em Espanha.

Além da saudade, Bárbara explicou que o mais difícil é viver sem garantias de que as incertezas criadas pela distância sejam superadas em breve.

“Sempre fui uma pessoa de fazer muitos planos, gosto de ter tudo bem planeado e a pandemia me tirou isto (….) O que mais de afetou foram os planos que tinha com ele, de nos vermos mais, de encontrar a família dele na Franca e de ele vir aqui para o Brasil. Tudo isto foi tirado de mim num segundo”, lamentou.

A jovem também contou que descobriu o movimento o “Amor não é Turismo” em pesquisas na internet e que se sentiu acolhida ao conhecer pessoas com problemas semelhantes aos seus.

“Eu encontrei o grupo em pesquisas na internet. Você fica angustiado de não ver quem ama, naquela busca, procurando soluções, entrando em contacto com consulado espanhol e consulado francês. Acabei encontrando o grupo na internet de casais que estão passando pela mesma situação que eu”, relatou.

Aí “você vê que isto não acontece só com você, mas com várias pessoas, existem várias histórias, até piores do que a minha e foi reconfortante” sentir que não era apenas um caso isolado, acrescentou.

Helenice de Azevedo Lopes, 70 anos, conheceu o noivo italiano com quem vive uma história de amor desde 2018, durante uma viagem à Itália.

O casal encontrou-se ao longo do tempo em várias partes do mundo, incluindo os Estados Unidos e Malta, até terem decidido morar juntos em Itália no ano passado, depois de Helenice ter aceitado o pedido de casamento.

A brasileira regressou, em fevereiro, ao seu país de origem, para fazer uma cirurgia e acabou por ficar retida por causa do fecho das fronteiras.

“Mesmo com quase 70 nos me apaixonei como uma adolescente. Quando decidi que tínhamos uma compatibilidade muito grande fui para a Itália”, recordou Helenice Lopes.

E lamentou: “infelizmente fechou tudo e não pude mais voltar. Tenho tudo lá. Aqui eu estou na casa da minha filha, do meu filho, da minha irmã, mas não é a minha casa. Minha casa é do lado dele”.

Em declarações à Agência Lusa, Helenice explicou que conheceu o movimento “Amor não é Turismo” por intermédio de seu genro: “Este grupo que eu entrei está me dando um apoio tremendo. Tem muitas jovens, meninas que têm idade para serem minhas filhas (…) eu me senti muito mais encorajada, mas o que preciso é que realmente abram as fronteiras porque está muito difícil”.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 680 mil mortos e infetou mais de 17,6 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla” de Emanuel Ribeiro abre em Lisboa

O artista Emanuel Ribeiro apresenta três das suas mais impactantes obras – “À Deriva”, “Grito Mudo” e “Libertação” – na exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla”. Organizada pela Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla (SPEM), com o apoio da Merck e do El Corte Inglés (ECI), a exposição visa retratar as complexidades, desafios e triunfos da vida com esclerose múltipla.

Futuros nutricionistas enfrentam “tubarões” no Teatro Thalia

A NOVA Medical School vai trazer para a academia o conhecido modelo de captação de negócio ‘Shark Tank’, dia 28 de junho no Teatro Thalia, em Lisboa, proporcionando uma plataforma para os alunos finalistas da Licenciatura em Ciências da Nutrição se apresentarem ao mercado de trabalho.

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights