Vacina da Moderna provoca recordes em Wall Street do Dow e S&P500

17 de Novembro 2020

A bolsa nova-iorquina encerrou esta segunda-feira em alta, com recordes dos índices Dow Jones Industrial Average e S&P500, no seguimento do anúncio da sociedade de biotecnologia Moderna de que a sua vacina contra o novo coronavirus é eficaz em 94,5%.

Os resultados definitivos da sessão indicam que aquele índice seletivo valorizou 1,60%, para os 29.950,44 pontos, limiar que excede o máximo registado em fevereiro.

Na mesma forma, o alargado S&P500 progrediu 1,16%, para as 3.626,91 unidades, e bateu o recorde que tinha fixado na passada sexta-feira.

Sem recorde, mas também em alta foi o comportamento do tecnológico Nasdaq, que ganhiu 0,80%, para os 11.924,13 pontos.

Para Art Hogan, da National Securities, “as boas notícias em torno das vacinas e dos tratamentos contra o vírus foram os motores principais” do mercado nas últimas semanas.

Na última segunda-feira, os laboratórios Pfizer e BioNtech afirmaram que a vacina que estavam a desenvolver em conjunto reduzia o risco de contrair a doença em 90%, o que fez subir a praça nova-iorquina.

Estes desenvolvimentos levam os investidores a esperar que “o fim da pandemia e um regresso à normalidade” estejam próximos, disse Hogan.

O título da Moderna valorizou cerca de 10%.

Entre os beneficiários desta onda de otimismo, os setores dependentes de uma reanimação da economia exibiram uma saúde de ferro, como a transportadora aérea United, que ganhou 5,16%, a empresa de cruzeiros Carnival (9,74%) ou o grupo de hotéis e casinos MGM Resorts International (2,36%).

Ao contrário, as empresas que têm beneficiado com o confinamento e da progressão do teletrabalho viram a cotação descer, à semelhança da Zoom, que perdeu 1,19%.

Mas, apesar do otimismo geral no mercado e da esperança na existência de uma vacina disponível em breve, alguns analistas mantêm-se prudentes.

“Ainda há muitos motivos de inquietação, quando os casos de infeção sobem e quando casa vez mais Estados (dos EUA) evocam a possibilidade de fechar as suas economias”, indicou J. J. Kinahan, da TD Ameritrade.

“Os confinamentos poderiam continuar a afetar o mercado e pesar nos resultados financeiros a curto prazo”, acrescentou.

Vários grupos da grande distribuição devem anunciar esta semana os seus resultados trimestrais, como Walmart, Target e Home Depot.

Este último anunciou hoje a aquisição em breve, por cerca de oito mil milhões de dólares (6,7 mil milhões de euros), do distribuidor HD Supply, que lhe vai permitir uma presença importante nos serviços pós-venda.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

O Valor da Incerteza

Lara Cunha: Enfermeira Especialista em Enfermagem Médico-cirúrgica; Research Fellow na Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

João Rocha: “Não é possível ter empresas ou hospitais desenvolvidos se não tivermos uma base forte na infraestrutura científica”

“Apenas gostaria de salientar que é necessário investir em ciência no país para que se possa desenvolver investigação de nível internacional. Que esse investimento em ciência aconteça, porque não está a acontecer como devia. (…) Tem de ser uma prioridade porque sem essa prioridade o país não será competitivo no mundo moderno. Não é possível ter empresas ou hospitais desenvolvidos se não tivermos uma base forte na infraestrutura científica”, afirmou o coordenador do Centro Português de Ressonância Magnética Nuclear, entrevistado na sequência da inauguração desta nova infraestrutura da Universidade de Aveiro, que aloja um equipamento único na Península Ibérica que pode ser utilizado na área da saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights