EUA vão alcançar imunidade de grupo vários meses antes da Europa

8 de Dezembro 2020

Peritos da indústria farmacêutica alertaram hoje que a imunidade de grupo através das vacinas contra a covid-19 será alcançada em diferentes velocidades no mundo, antevendo que os Estados Unidos serão os primeiros a atingi-la no segundo trimestre de 2021.

De acordo com as projeções dos mesmos peritos, e em comparação com os norte-americanos, a Europa terá de esperar mais alguns meses e a região da América Latina quase um ano.

Estes cálculos, apresentados hoje pela empresa de análise Airfinity numa conferência de imprensa da Federação Internacional das Associações da Indústria Farmacêutica (IFPMA), apontam que o Ocidente poderá alcançar a imunidade de grupo ao longo do próximo ano, enquanto outras regiões do mundo poderão só atingir esta meta em 2023.

Ressalvando que estas previsões podem mudar em função da efetividade das futuras vacinas contra a doença covid-19, o diretor-executivo da Airfinity, Rasmus Bech Hansen, afirmou que os cálculos desenvolvidos apontam que os Estados Unidos da América (EUA) serão o primeiro país onde a imunidade do grupo será alcançada, seguidos pelo vizinho Canadá, que irá alcançar também esta meta no segundo trimestre de 2021.

Os Estados Unidos são o país mais afetado pela atual crise pandémica, tanto em número de mortos como de casos, com um total de 283.746 mortes e 14.955.025 casos recenseados, segundo o balanço mais recente da universidade norte-americana Johns Hopkins.

Nos Estados Unidos ainda não existe uma vacina contra a covid-19 autorizada ou aprovada.

Citadas pelas agências internacionais, as projeções da Airfinity anteveem que o Reino Unido, que hoje arrancou com a sua campanha nacional de vacinação, será o terceiro país a alcançar a imunidade de grupo, igualmente em meados de 2021.

País europeu mais afetado pela atual crise sanitária (com mais de 61 mil mortos e mais de 1,7 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus), o Reino Unido é o primeiro no mundo a ter autorizado a utilização da vacina anti-covid-19 desenvolvida pelo grupo farmacêutico norte-americano Pfizer e pela empresa alemã BioNTech e foi o primeiro país ocidental a iniciar a sua campanha de vacinação.

Os cálculos da Airfinity preveem ainda que na zona da União Europeia (UE), onde Portugal está integrado, a imunidade de grupo seja alcançada no terceiro trimestre do próximo ano, enquanto na Austrália será necessário esperar até ao final de 2021.

A região da América Latina terá de esperar até ao final do primeiro trimestre de 2022 para conseguir a imunidade de grupo, acrescentaram as mesmas projeções, que avançaram também que o Japão só deverá atingir tal meta no início do segundo trimestre desse mesmo ano.

Já a China, onde foram detetados os primeiros casos da doença covid-19 no final de 2019, a imunidade de grupo poderá ser atingida no terceiro trimestre de 2022, de acordo com os mesmos cálculos.

As perspetivas são ainda menos animadoras para a Índia ou para a Rússia.

Apesar de ser um dos principais produtores de vacinas para diversas doenças, a Índia poderá só alcançar a imunidade de grupo tão desejada no primeiro trimestre de 2023, enquanto as previsões para a Rússia apontam para uma espera que ultrapassa os primeiros três meses desse mesmo ano.

“Um dos grandes desafios será a produção de enormes doses de vacinas”, disse o diretor-executivo da Airfinity, empresa que fornece dados a empresas farmacêuticas e a entidades governamentais.

A pandemia da doença covid-19 já provocou pelo menos 1.545.320 mortos resultantes de mais de 67,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus (SARS-Cov-2) detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla” de Emanuel Ribeiro abre em Lisboa

O artista Emanuel Ribeiro apresenta três das suas mais impactantes obras – “À Deriva”, “Grito Mudo” e “Libertação” – na exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla”. Organizada pela Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla (SPEM), com o apoio da Merck e do El Corte Inglés (ECI), a exposição visa retratar as complexidades, desafios e triunfos da vida com esclerose múltipla.

Futuros nutricionistas enfrentam “tubarões” no Teatro Thalia

A NOVA Medical School vai trazer para a academia o conhecido modelo de captação de negócio ‘Shark Tank’, dia 28 de junho no Teatro Thalia, em Lisboa, proporcionando uma plataforma para os alunos finalistas da Licenciatura em Ciências da Nutrição se apresentarem ao mercado de trabalho.

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights