Guiné-Bissau baixa para estado de alerta depois de evolução favorável

11 de Dezembro 2020

As autoridades da Guiné-Bissau declararam o estado de alerta na saúde pública devido à Covid-19, depois de terem verificado uma evolução favorável com menos contágios, refere um decreto divulgado pela Presidência guineense.

Segundo o decreto do Governo, promulgado pelo chefe de Estado na quarta-feira, o estado de alerta vai vigorar por 90 dias até 10 de março de 2021.

O país esteve em estado de emergência entre março e setembro, tendo depois as autoridades declarado a situação de calamidade e de emergência na saúde até 08 de dezembro.

“A situação irá ser continuamente avaliada e o diploma poderá ser alterado se as circunstâncias assim o determinarem”, refere o decreto.

Apesar de a situação epidemiológica no país estar a evoluir favoravelmente, as autoridades reconhecem o “elevado risco de alteração da situação”.

O decreto destaca que a pandemia ainda está ativa a nível mundial e que está a acontecer uma segunda vaga na Europa, incluindo em Portugal, país com que a Guiné-Bissau tem um “fluxo permanente” de pessoas. “Existem também sinais de emergência de uma possível segunda vaga para o continente africano”, salienta.

O decreto do Governo mantém o uso obrigatório da máscara na rua e nos espaços fechados, o distanciamento físico e a obrigatoriedade de apresentar um teste negativo de Covid-19 para pessoas que viajem para a Guiné-Bissau.

A realização de eventos sociais e culturais que impliquem a aglomeração de pessoas permanece proibida.

Segundo os dados do Alto Comissariado para a Covid-19, o país registou desde o início da pandemia 2.444 casos positivos. Na semana entre 30 de novembro e 6 de dezembro, foram registados três novos casos.

O número de vítimas mortais provocadas pela Covid-19 é de 44, enquanto o número de recuperados situa-se nos 2.337.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guilherme Veríssimo: “A saúde começa pela boca”

A evidência científica comprova que a má saúde oral está diretamente relacionada com 23 doenças sistémicas, entre elas a diabetes e as doenças cardiovasculares, e cinco tipos de cancro. Esta realidade pode surpreender a maior parte da população, mas não os dentistas. Em entrevista ao nosso jornal, o Médico Dentista, Guilherme Veríssimo, frisa que a “saúde oral não se resume a uma questão estética”, deixando alguns alertas para a importância da correta higienização dos dentes. O médico dentista aproveitou ainda para desmistificar alguns dos principais mitos associados à doença peridontal.

INEM esclarece que chamadas via 112 são descentralizadas

O INEM esclareceu que as chamadas que dão entrada via 112 para o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) são descentralizadas, avançando que hoje de manhã estavam ao serviço 48 técnicos, 24 dos quais em atendimento.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights