Brasil volta a ter mais de mil mortes num dia e aproxima-se das 210 mil

17 de Janeiro 2021

O Brasil registou mais de mil mortes por covid-19 em 24 horas, pelo quinto dia consecutivo, com os óbitos a aproximarem-se dos 210.000 e as infeções a ultrapassarem os 8,4 milhões, segundo dados oficiais.

De acordo com o último relatório do Ministério da Saúde, com 1.050 mortos no último dia, o número de mortes causadas pela covid-19 atingiu 209.296, quando o país enfrenta uma segunda vaga da pandemia e numa semana em que o sistema de saúde pública em Manaus, a maior cidade da Amazónia brasileira, entrou em colapso.

Desde sábado passado, 09 de janeiro, foram registadas mais de 6.600 mortes no gigante sul-americano, e desde terça-feira, mais de mil morreram diariamente.

O número de pessoas infetadas por SARS-CoV-2 também disparou, e este sábado foi o quinto dia consecutivo com mais de 60.000 infeções no país. No total, há agora 8.455.059 casos confirmados.

Os números confirmam o Brasil como um dos principais epicentros da pandemia no mundo, onde é o segundo país com o maior número de mortes, depois dos Estados Unidos, e o terceiro com as pessoas mais infetadas, depois dos EUA e da Índia.

Segundo o relatório oficial, nesta nação de mais de 210 milhões de habitantes, cerca de 7,3 milhões de pacientes recuperaram, o que representa 87,4% do número total de pessoas infetadas.

Por outro lado, mais de 850.000 pessoas estão a receber acompanhamento médico nos hospitais ou nas suas casas após o teste positivo.

O Brasil tem uma taxa de mortalidade de 99,1 mortes e uma incidência de 3.994 pessoas infetadas por 100.000 habitantes.

Segundo dados do Ministério, 13 estados registaram uma subida do número de mortes no sábado, incluindo o Amazonas, que se encontra no pico mais alto da pandemia, com a capital, Manaus, num estado de colapso, com hospitais sobrelotados e sem oxigénio para tratar os doentes.

Na cidade, o número de mortes em casas aumentou, devido à falta de assistência especializada, e muitos ficaram horas em filas de espera para obter uma botija de oxigénio para cuidar de familiares doentes.

Vários estados do país enviaram oxigénio para o Amazonas, com o apoio do governo nacional, para ajudar a lidar com a escassez, e mesmo a vizinha Venezuela relatou que um camião com tanques de oxigénio já tinha partido para o Brasil.

Esta é a segunda crise que o Amazonas enfrenta durante a pandemia, após a de março de 2020.

Outra região à beira do colapso provocado pelo vírus é Mato Grosso, na região centro-oeste do país, onde os hospitais estão praticamente cheios e as infeções não desceram abaixo de mil por dia na última semana.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

Quinze ULS terão equipas dedicadas na área da Saúde Mental

Os primeiros Centros de Responsabilidade Integrados dedicados à Saúde Mental vão arrancar em 15 Unidades Locais de Saúde, numa primeira fase em projeto-piloto e durante 10 meses, segundo uma portaria publicada em Diário da República.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights