Ministro da Ciência e Ensino Superior rejeita para já alterar aulas ou avaliações presenciais

19 de Janeiro 2021

O ministro da Ciência e Ensino Superior rejeitou esta terça-feira alterar o regime de avaliações presenciais nas universidades e politécnicos, admitindo no entanto que a situação da pandemia traz um incerteza que exige "um esforço de realismo" constante.

Falando numa audição na comissão parlamentar de Educação, Ciência, Juventude e Desporto, Manuel Heitor argumentou que geralmente a incidência de casos de contágio pelo novo coronavírus no Ensino Superior é sempre inferior à dos concelhos onde se localizam as universidades e politécnicos.

“Estamos abertos a uma situação complexa que requer também muita ponderação” ressalvou, notando que até à terceira semana de fevereiro, o ensino superior está na pausa entre semestres e que “nesta fase não deve haver alterações ao regime das avaliações presenciais, sempre que possível complementadas por avaliações com recurso a tecnologias digitais”.

Qualquer alteração ao regime de avaliações terá impacto no percurso académico dos estudantes, salientou.

Apesar de críticas de “negacionismo” dirigidas ao ministro pelo deputado social-democrata Duarte Marques, Manuel Heitor declarou que as recomendações do Governo para as instituições sobre o regime presencial de aulas e avaliações, “seguem as principais e melhores práticas internacionais, numa reflexão mantida diretamente com estudantes, dirigentes e presidentes de politécnicos e reitores de universidades que reconhecem os lugares seguros que são hoje as instituições de ensino superior”.

“Há uma visão em Portugal e na Europa que o ensino deve ser sobretudo presencial e essa visão tem que ser aplicada, mas de uma forma realista caso a caso, seguindo o que é a realidade e o que é o esforço que nos exige garantir condições de elevada segurança”, declarou.

Manuel Heitor referiu que na faixa etária entre os 20 e 29 anos, entre a qual têm aumentado os casos de contágio, apenas 18% estão no ensino superior, enquanto na faixa etária entre os 18 e os 24 há 30% nas universidades e politécnicos.

“De uma forma geral, para além de nessas faixas etárias a fração de estudantes ser apenas uma pequena fração, temos dentro das instituições taxas de incidência, com dados de terça-feira, são sempre inferiores aos concelhos” onde estas se situam.

O ministro indicou que na Universidade do Porto, a taxa de incidência de casos entre os estudantes era “30% da taxa de incidência em todo o concelho”, tal como entre os estudantes da Universidade do Minho, em que a taxa de incidência é cerca de 25% do que se verifica nos concelhos em que a universidade tem instalações.

“Os dados que vivemos têm muito a ver com períodos não letivos, quer nos contágios ao fim de semana, quer nos períodos após ou entre o Natal e o Ano Novo, por isso temos que ser bastante cuidadosos e muito realistas nestas extrapolações”, referiu.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 2.041.289 mortos resultantes de mais de 95,4 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 9.028 pessoas dos 556.503 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

Quinze ULS terão equipas dedicadas na área da Saúde Mental

Os primeiros Centros de Responsabilidade Integrados dedicados à Saúde Mental vão arrancar em 15 Unidades Locais de Saúde, numa primeira fase em projeto-piloto e durante 10 meses, segundo uma portaria publicada em Diário da República.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights