Chile vacina mais de 550 mil pessoas em três dias

6 de Fevereiro 2021

O Chile vacinou até hoje 556 mil pessoas, três dias depois de ter iniciado a campanha de vacinação em massa, destinada a pessoas idosas, anunciou o Ministério da Saúde deste país sul-americano.

Na passada quarta-feira, o Governo e os municípios tinham colocado à disposição estádios, praças e centros desportivos, bem como os centros de saúde de todo o país para atingir o objetivo de vacinar cinco milhões de pessoas até ao final de março e 15 milhões em julho, num universo de 18 milhões de habitantes.

O Chile tinha começado a vacinar os profissionais da saúde em dezembro, depois de ter recebido um primeiro lote de 154 mil doses de vacinas da Pfizer/BioNTech.

Esta campanha de vacinação, gratuita, teve desde quarta-feira a adesão massiva das pessoas com mais de 80 anos, as primeiras a terem sido convocadas.

Na sexta-feira 112.619 pessoas com mais de 85 anos foram vacinadas.

“Fizeram o esforço de sair das suas casas e mostraram uma forte convicção que para eles a vacina abre uma janela de esperança para o futuro”, afirmou o ministro da Saúde, Enrique Paris.

Também esta semana, o Chile começou a inocular as primeiras doses da vacina CoronaVac, do laboratório chinês Sinovac, do qual deverá receber 10 milhões de doses.

O país concluiu os acordos para adquirir 36 milhões de doses com os laboratórios Pfizer, Sinovac, Johnson & Johnson e AstraZeneca.

As autoridades chilenas não excluíram a possibilidade de adquirir, mais tarde, a vacina russa Spoutnik V. Até ao momento nenhuma negociação foi encetada com o laboratório Moderna.

O Chile regista em média 4.000 novos casos de covid-19 por dia. Desde o início da pandemia este país registou mais de 740 mil contaminações e 18.808 mortes.

A vacina CoronoVac, já utilizada no Brasil e na Turquia, recebeu hoje o acordo “condicional” da autoridade chinesa do medicamento, que autoriza desde já a sua utilização para o público em geral no país de origem.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.299.637 mortos resultantes de mais de 105 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 13.954 pessoas dos 761.906 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights