Madeira recebeu mais 23.400 vacinas da Pfizer

3 de Maio 2021

A Madeira recebeu esta segunda-feira mais 23.400 vacinas da farmacêutica Pfizer, o que permite dar continuidade à campanha de vacinação regional, informou o Serviço Regional de Saúde (SESARAM).

Estas vacinas ficam armazenadas no Serviço de Farmácia do SESARAM, tendo a região recebido até à data um total de 105.297 vacinas da Pfizer, lê-se num comunicado divulgado hoje.

Em 27 de abril, a Direção Regional de Saúde revelou que a Madeira já administrou 81.673 vacinas contra a Covid-19 desde 31 de dezembro de 2020, referindo que 60.077 correspondiam à primeira dose e 21.596 à segunda dose.

“Isto significa que 8,5% da população residente tem já a vacinação completa e 23,6% uma dose da vacina”, referia a autoridade de saúde, explicando que as pessoas inoculadas integram os grupos prioritários definidos de acordo com a alocação de vacinas à região autónoma.

O Plano Regional de Vacinação Covid-19, que teve início em 31 de dezembro de 2020, estabelece três fases, a começar pelos grupos prioritários, ao que se seguem as pessoas com comorbilidades e, depois, o resto da população.

A estimativa aponta para que sejam vacinadas 50 mil pessoas na primeira fase; outras 50 mil na segunda fase, e, por fim, 100 mil pessoas.

Segundo a Direção Regional de Saúde, a Madeira, com cerca de 260.000 habitantes, regista atualmente 266 casos ativos de infeção por SARS-CoV-2, num total (até domingo) de 9.010 confirmados desde o início da pandemia e 71 mortos associados à doença.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights