Reduz taxa de desemprego para 5,8% em maio nos EUA

4 de Junho 2021

A taxa de desemprego nos Estados Unidos baixou em maio para 5,8%, menos três décimas em relação a abril, refletindo a reativação da economia, que criou 559 mil postos de trabalho no mês passado.

É a primeira vez que a taxa de desemprego nos Estados Unidos fica abaixo de 6% desde o início da pandemia, indicam os números divulgados esta sexta-feira pelo Departamento do Trabalho.

Em fevereiro de 2020, a taxa de desemprego estava em 3,5%, mas rapidamente atingiu 14,8% em abril desse ano, devido ao impacto da pandemia de Covid-19.

Desde então tinha vindo a diminuir gradualmente, mas em abril subiu uma décima e tinha ficado em 6,1%, devido a um abrandamento na criação de emprego com alegadas dificuldades dos empregadores em contratar.

Os republicanos têm apontado que os apoios por desemprego, mais generosos do que antes da pandemia, não incitam a voltar ao trabalho.

Em maio, a economia norte-americana gerou 559 mil empregos, mais do dobro dos registados no mês anterior, mas ainda abaixo do esperado pelos analistas, que antecipavam 720 mil novas contratações.

Os dados sobre os novos empregos de abril foram revistos em alta e passaram dos 266 mil inicialmente contabilizados para 278 mil.

O gabinete de estatísticas laborais detetou em maio “ganhos notáveis” nos setores do lazer, restauração e hotelaria, educação privada, saúde e assistência social, segundo o relatório, com um aumento dos salários para 30,33 dólares por hora, em média.

Estes dados foram divulgados um dia depois da publicação do número semanal de pedidos de subsídio de desemprego nos Estados Unidos, que baixou para 406 mil na semana passada, em comparação com 444 mil no período anterior.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

PCP apresenta medidas para “inverter a degradação” do SNS

O PCP apresentou esta sexta-feira algumas medidas urgentes para “inverter a degradação” do Serviço Nacional de Saúde (SNS), criticando as “políticas de vários governos” de PS, PSD e CDS, que abriram “caminho para a destruição” daquele serviço público.

DE-SNS mantém silêncio perante ultimato da ministra

Após o Jornal Expresso ter noticiado que Ana Paula Martins deu 60 dias à Direção Executiva do SNS (DE-SNS) para entregar um relatório sobre as mudanças em curso, o HealthNews esclareceu junto do Ministério da Saúde algumas dúvidas sobre o despacho emitido esta semana. A Direção Executiva, para já, não faz comentários.

ULS de Braga celebra protocolo com Fundação Infantil Ronald McDonald

A ULS de Braga e a Fundação Infantil Ronald McDonald assinaram ontem um protocolo de colaboração com o objetivo dar início à oferta de Kits de Acolhimento Hospitalar da Fundação Infantil Ronald McDonald aos pais e acompanhantes de crianças internadas nos serviços do Hospital de Braga.

FNAM lança aviso a tutela: “Não queremos jogos de bastidores nem negociatas obscuras”

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) disse esta sexta-feira esperar que, na próxima reunião com o Ministério da Saúde, “haja abertura para celebrar um protocolo negocial”. Em declarações ao HealthNews, Joana Bordalo e Sá deixou um alerta à ministra: ” Não queremos jogos de bastidores na mesa negocial. Não queremos negociatas obscuras.”

SNE saúda pedido de relatório sobre mudanças implementadas na Saúde

O Sindicato Nacional dos Enfermeiros (SNE) afirmou, esta sexta-feira, que vê com “bons olhos” o despacho, emitido pela ministra da Saúde, que solicita à Direção-Executiva do Serviço Nacional de Saúde (DE-SNS) um relatório do estado atual das mudanças implementadas desde o início de atividade da entidade.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights