China veta testes para crianças de 6 e 7 anos para aliviar pressão nas escolas

30 de Agosto 2021

O Ministério da Educação da China anunciou esta segunda-feira que vai proibir que crianças de seis e sete anos façam exames escritos, visando reduzir a pressão académica que os estudantes do país enfrentam.

O Ministério divulgou várias novas diretrizes, que fazem parte da política de “dupla redução”, lançada em julho pelo Governo chinês, visando reduzir as tarefas que o aluno cumpre no ensino obrigatório e eliminar o ensino de acompanhamento para as disciplinas incluídas nos exames de acesso ao ensino superior.

Para alcançar uma distribuição “mais equilibrada” dos alunos, as escolas também vão deixar de poder destacar grupos pela “excelência” do seu desempenho académico, prática comum nas escolas públicas chinesas, que alteram turmas e distribuem os alunos com base nas suas notas.

O Ministério citou alguns dos problemas enfrentados atualmente pelos estudantes chineses: 67% não dorme o suficiente e 22% estão em escolas que não atendem aos requisitos de horas mínimas de educação física.

O Governo chinês promoveu, nas últimas semanas, importantes reformas no ensino, como a incorporação do pensamento político do secretário-geral do Partido Comunista da China (PCC) e Presidente do país, Xi Jinping, nos currículos das escolas e universidades, ou regulações restritivas para o ensino privado.

Pequim anunciou, em julho passado, a proibição de que centros de explicações obtenham lucros com aulas de disciplinas consideradas essenciais na China. Estes centros, até então um lucrativo negócio na China, passam também a estar proibidos de dar aulas nos feriados e fins de semana.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Quase um quarto dos médicos do SNS aderiram à dedicação plena

Quase 2.900 médicos aderiram voluntariamente à dedicação plena desde que entrou em vigor há dois meses, representando cerca de 24% do universo de 12 mil especialistas que trabalham nos hospitais do SNS, segundo dados oficiais avançados hoje à Lusa.

Ana Paula Mendes sobre Centro de Informação do Medicamento: “Vamos este ano assinalar os 40 anos de existência”

Em ano de 40.º aniversário, o Centro de Informação do Medicamento da Ordem dos Farmacêuticos quer “perceber com os farmacêuticos como é que o CIM-OF os tem auxiliado e como é que pode contribuir futuramente para a sua atividade diária”, mas pensa assinalar esta data “envolvendo todo o público-alvo: farmacêuticos e cidadãos”, adiantou ao HealthNews a diretora, Ana Paula Mendes.

OMS saúda inclusão de aborto na Constituição francesa

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, saudou a aprovação da inclusão do direito à interrupção voluntária da gravidez na Constituição francesa, defendendo que o aborto seguro salva vidas.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights