África ultrapassa os oito milhões de casos

11 de Setembro 2021

O continente africano ultrapassou os oito milhões de casos (8.008.802) de infeção de covid-19 desde o início da pandemia, tendo registado 202.534 mortes associadas à doença e 7.280.838 pessoas recuperadas, de acordo com os dados oficiais hoje divulgados.

Segundo o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), a região da África Austral é a região mais afetada do continente, com 3.791.542 casos e 105.533 óbitos associados à covid-19. Nesta região, encontra-se o país mais atingido pela pandemia, a África do Sul, que contabiliza 2.848.925 casos e 84.608 mortes.

O Norte de África, que sucede à África Austral nos números da covid-19, atingiu hoje 2.431.731 infetados e 65.137 mortes associadas à doença.

A África Oriental contabiliza 936.662 infeções e 19.553 mortos, e a região da África Ocidental regista 624.424 casos de infeção e 9.080 mortes. A África Central é a que tem menos casos de infeção e de mortes, 224.443 e 3.231 respetivamente.

A Tunísia, o segundo país africano com mais vítimas mortais a seguir à África do Sul, regista 24.086 mortes e 681.664 infetados, seguindo-se o Egito, com 16.847 óbitos e 292.018 casos de infeção, e Marrocos, que contabiliza o segundo maior número de infeções em todo o continente, 899.581 casos, mas menos mortes do que os dois países anteriores, 13.436 óbitos associados à doença.

Entre os países mais afetados estão também a Argélia, com 5.544 óbitos e 199.588 pessoas infetadas, o Quénia, com 4.896 mortes associadas à doença e 242.945 contágios e a Etiópia, com 4.884 vítimas mortais e 321.787 infeções.

Em relação aos países de língua oficial portuguesa, Moçambique contabiliza 1.892 mortes associadas à doença e 148.901 infetados acumulados desde o início da pandemia, seguindo-se Angola (1.322 óbitos e 49.943 casos), Cabo Verde (320 mortes e 36.427 infeções), Guiné Equatorial (129 óbitos e 10.284 casos), Guiné-Bissau (125 mortos e 5.968 infetados) e São Tomé e Príncipe (39 óbitos e 2.787 infeções).

O primeiro caso de covid-19 em África surgiu no Egito, em 14 de fevereiro de 2020, e a Nigéria foi o primeiro país da África subsaariana a registar casos de infeção, em 28 de fevereiro.

A covid-19 provocou pelo menos 4.602.565 mortes em todo o mundo, entre mais de 223,06 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse, divulgado sexta-feira.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil ou Peru.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

ULS de Braga celebra protocolo com Fundação Infantil Ronald McDonald

A ULS de Braga e a Fundação Infantil Ronald McDonald assinaram ontem um protocolo de colaboração com o objetivo dar início à oferta de Kits de Acolhimento Hospitalar da Fundação Infantil Ronald McDonald aos pais e acompanhantes de crianças internadas nos serviços do Hospital de Braga.

DE-SNS mantém silêncio perante ultimato da ministra

Após o Jornal Expresso ter noticiado que Ana Paula Martins deu 60 dias à Direção Executiva do SNS (DE-SNS) para entregar um relatório sobre as mudanças em curso, o HealthNews esclareceu junto do Ministério da Saúde algumas dúvidas sobre o despacho emitido esta semana. A Direção Executiva, para já, não faz comentários.

FNAM lança aviso a tutela: “Não queremos jogos de bastidores nem negociatas obscuras”

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) disse esta sexta-feira esperar que, na próxima reunião com o Ministério da Saúde, “haja abertura para celebrar um protocolo negocial”. Em declarações ao HealthNews, Joana Bordalo e Sá deixou um alerta à ministra: ” Não queremos jogos de bastidores na mesa negocial. Não queremos negociatas obscuras.”

SNE saúda pedido de relatório sobre mudanças implementadas na Saúde

O Sindicato Nacional dos Enfermeiros (SNE) afirmou, esta sexta-feira, que vê com “bons olhos” o despacho, emitido pela ministra da Saúde, que solicita à Direção-Executiva do Serviço Nacional de Saúde (DE-SNS) um relatório do estado atual das mudanças implementadas desde o início de atividade da entidade.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights