02/02/2022 | Covid 19, Mundo, Notícias

Organização Mundial de Saúde diz que linhagem BA.2 da variante Ómicron já foi detetada em 57 países

A linhagem BA.2 da variante Ómicron, que alguns estudos demonstram ser mais contagiosa que a versão original, foi detetada em 57 países, revelou na terça-feira a Organização Mundial de Saúde (OMS).

A Ómicron, que se dissemina e sofre mutações rapidamente, tornou-se a variante dominante do mundo desde que foi detetada pela primeira vez no sul de África há dez semanas.

No seu boletim epidemiológico semanal, a OMS explicou que esta variante representa mais de 93% de todas as amostras de Covid-19 recolhidas em janeiro e tem como subvariantes a BA.1, BA.1.1 , BA.2 e BA.3.

BA.1 e BA.1.1 – as primeiras versões identificadas – ainda constituem mais de 96% dos casos da variante Ómicron registados no banco de dados global GISAID.

Mas existe um aumento acentuado no número de casos envolvendo a linhagem BA.2, que tem várias mutações diferentes da versão original, em particular na ligação da proteína `spike´ às células humanas.

“As sequências designadas BA.2 foram submetidas ao GISAID por 57 países até à data”, salientou a OMS, acrescentando que em alguns países esta subvariante representa agora mais de metade das amostras Ómicron recolhidas.

A OMS acrescentou que ainda se sabe pouco sobre as diferenças entre as subvariantes e pediu que sejam realizados estudos sobre as características do vírus, incluindo a sua transmissibilidade, capacidade de escapar de proteções imunológicas e virulência.

Vários estudos recentes sugerem que a BA.2 é mais contagiosa do que a Ómicron original.

A variante Ómicron causa geralmente doenças menos graves do que as variantes anteriores da Covid-19 e a especialista da OMS, Maria Van Kerkhove, revelou na terça-feira que até agora ainda não há evidências que a linhagem BA.2 seja mais grave.

Detetada pela primeira vez em Portugal no final de dezembro, a linhagem BA.2 da variante Ómicron tem aumentado de frequência, mas os últimos dados indiciam uma circulação comunitária reduzida, anunciou na terça-feira o INSA.

Segundo o relatório do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) sobre a diversidade genética do coronavírus SARS-CoV-2, esta linhagem BA.2 tem características genéticas semelhantes à Ómicron (BA.1) e foi detetada pela primeira vez em Portugal em amostragens aleatórias por sequenciação entre 27 de dezembro e 02 de janeiro.

A Covid-19 provocou pelo menos 5.671.154 de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

A nova variante Ómicron, classificada como preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral e, desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta em novembro, tornou-se dominante em vários países, incluindo em Portugal.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado.

Share This