Líderes da União Africana aprovam declaração para recuperar programas de vacinação

19 de Fevereiro 2023

Os líderes africanos decidiram hoje adotar medidas para melhorar a imunização de todo o continente, após as interrupções causadas pela covid-19, que suspenderam programas de vacinação infantil e aumentaram surtos de doenças evitáveis através de vacinação.

Num evento à margem da 36ª conferência dos chefes de Estado e de Governo da União Africana (UA), que decorre em Adis Abeba, os líderes aprovaram uma declaração para “impulsionar a recuperação da imunização de rotina em África”.

A declaração, referem os líderes da UA em comunicado hoje divulgado, visa “revitalizar o acesso universal de todas as populações à imunização para reduzir a mortalidade, a morbidade e a incapacidade e, consequentemente, ajudar os Estados-membros a alcançar os ODS [objetivos de desenvolvimento sustentável] em termos de saúde e as metas económicas e de desenvolvimento”.

Um total de 8,4 milhões de crianças em África – entre 18 milhões em todo o mundo – ficou de fora dos serviços de imunização em 2021, segundo estimativas da Unicef e Organização Mundial da Saúde (OMS) hoje avançadas em comunicado.

O acesso aos serviços de imunização é particularmente difícil nas comunidades pobres e marginalizadas ou nas que estão vulneráveis devido a conflitos ou para aqueles que vivem em ambientes frágeis, lembra a OMS.

Segundo a organização internacional, a vacinação relativa a muitas doenças evitáveis está, no continente africano, muito abaixo da faixa dos 90 a 95% necessários para manter África livre dessas doenças.

Em 2021, a cobertura média de vacinação contra o sarampo foi de 69%, enquanto a que visa difteria-tétano-tosse convulsa foi de 82,5% e a da terceira dose contra poliomielite foi de 81,5%.

Regressar “à Declaração de Adis Abeba sobre Imunização aprovada pelos chefes de Estado na 28ª cimeira da União Africana [dá] aos líderes africanos um mandato para garantir financiamento sustentável que aumente o acesso à imunização e trabalhe com as comunidades para fortalecer os sistemas de imunização de todo o continente”, afirmou a comissária da UA para Saúde, Assuntos Humanitários e Desenvolvimento Social, Minata Samate Cessouma.

“Podemos acabar com as doenças evitáveis por vacinas e salvar muito mais vidas. Isto é essencial para conseguirmos ter comunidades saudáveis e prósperas, conforme a premissa da Agenda 2063 da UA: A África que Queremos”, acrescentou, em comunicado.

A declaração de hoje exorta os países a manter a imunização no centro das atenções enquanto se recuperam da pandemia de covid-19 e a vacinar todas as crianças que ainda não foram protegidas.

Os chefes de Estado também pedem aos vários países que “ajam rapidamente” para impulsionar os esforços de erradicação da poliomielite e usar as lições aprendidas com o programa contra a poliomielite para aumentar as capacidades de imunização de rotina em todo o continente.

“A imunização salva vidas e é um dos melhores investimentos em saúde que o dinheiro pode comprar”, defendeu o diretor regional da OMS para a África, Matshidiso Moeti, citado no mesmo comunicado.

“A pandemia da covid-19 teve um impacto devastador nos esforços de imunização em África e tornou crítico recuperar do atraso e voltar ao normal”, considerou.

Em África, as doenças imuno-preveníveis são responsáveis por 93% dos surtos de doenças infecciosas em curso.

Atualmente, surtos de doenças evitáveis através de vacinação afetam 31 países do continente, 17 dos quais registam mais do que um surto destas doenças.

“Sem vontade política renovada e esforços imediatos e intensificados, estima-se que a cobertura vacinal não retornará aos níveis de 2019 até 2027”, considera a unidade da OMS para África.

A declaração apela ainda às comunidades económicas regionais africanas, às organizações de saúde e ao Banco Africano de Desenvolvimento para apoiarem a iniciativa.

Além disso, exorta os fabricantes a melhorar o acesso às vacinas e pede à Unicef e à OMS para ajudarem os países a monitorizarem a evolução da imunização.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Dermatite atópica: Novos dados sobre upadacitinib

A AbbVie anuncia os resultados do LEVEL UP, um estudo de Fase 3b/4, aberto (mas com ocultação para o avaliador) e comparativo que avaliou a eficácia e a segurança de upadacitinib (com dose inicial de 15 mg uma vez por dia e ajuste da dose com base na resposta clínica) comparativamente a dupilumab (na dose aprovada) em adultos e adolescentes (com idade ≥ 12 anos) com dermatite atópica (DA) moderada a grave que tiveram uma resposta inadequada à terapêutica sistémica ou quando a utilização desse tipo de terapêuticas era desaconselhada.

Guilherme Veríssimo: “A saúde começa pela boca”

A evidência científica comprova que a má saúde oral está diretamente relacionada com 23 doenças sistémicas, entre elas a diabetes e as doenças cardiovasculares, e cinco tipos de cancro. Esta realidade pode surpreender a maior parte da população, mas não os dentistas. Em entrevista ao nosso jornal, o Médico Dentista, Guilherme Veríssimo, frisa que a “saúde oral não se resume a uma questão estética”, deixando alguns alertas para a importância da correta higienização dos dentes. O médico dentista aproveitou ainda para desmistificar alguns dos principais mitos associados à doença peridontal.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights