Chefias intermédias estão em grande risco de stress

15 de Maio 2023

A investigadora Tânia Gaspar considera que as chefias intermédias são nas empresas um grupo em grande risco de stress e devem ter uma intervenção específica, como o ‘coaching de liderança’, para garantir um ambiente de trabalho saudável.

Coordenadora do trabalho desenvolvido pelo Laboratório Português dos Ambientes de Trabalho Saudáveis (LABPATS) que vai ser apresentado na terça-feira, a especialista, que é psicóloga clínica, lembrou que as lideranças estão como que “numa posição de sanduíche”: “estão em grande pressão pois acabam por estar pressionadas pela administração para cumprir os objetivos (…) e pelas próprias características dos profissionais que são difíceis de gerir”.

Muitas vezes, “como são postos em causa, a melhor defesa é o ataque” e acabam por ser “mais hostis”, exemplificou.

“Se eu tivesse que definir um ponto para intervir [nas empresas] era nas lideranças. Porque além de serem profissionais que também têm que ter bem-estar [no trabalho] eles têm uma grande influência no bem-estar dos outros”, considerou.

Deu ainda o exemplo de ter lideranças empáticas, sublinhando: “temos estudos que revelam que se a atitude do líder é, por exemplo, de intolerância, de hostilidade, vai dar mais azo a que, mesmo dentro da própria equipa, a relação entre os colegas têm mais essa dinâmica”.

Por outro lado – acrescentou –, “se tiver um líder empático, assertivo e com escuta ativa a minha equipa vai ter muito mais dificuldade em ter um comportamento negativo”.

“Eu acho que a liderança é realmente central, porque é bom para ela, mas depois também é aquela que vai de alguma maneira influenciar mais o ambiente de trabalho dos outros”, afirmou.

Tania Gaspar dinamiza o LABPATS, que conta, entre as organizações fundadoras, com a Associação Portuguesa dos Administradores Hospitalares, a Cruz Vermelha Portuguesa, o Programa Nacional de Saúde Ocupacional da Direção-Geral da Saúde, o Instituto Nacional de Administração e diversas ordens profissionais, sociedades científicas e universidades.

O seu intuito é estudar de forma sistemática as organizações e promover a saúde e bem-estar destas e dos seus profissionais, com o objetivo de ajudar as empresas a melhorar resultados.

As recomendações destes especialistas para que as organizações consigam manter ambientes de trabalho saudáveis estão num manual de acesso gratuito.

O LABPATS está aberto a entradas de novas organizações que pretendam avaliar o seu ambiente de trabalho, uma tarefa que é gratuita e que pode ser solicitada através do ‘site’ do laboratório (https://laboratoriopats.wixsite.com/labpats/).

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

ULS de Braga celebra protocolo com Fundação Infantil Ronald McDonald

A ULS de Braga e a Fundação Infantil Ronald McDonald assinaram ontem um protocolo de colaboração com o objetivo dar início à oferta de Kits de Acolhimento Hospitalar da Fundação Infantil Ronald McDonald aos pais e acompanhantes de crianças internadas nos serviços do Hospital de Braga.

DE-SNS mantém silêncio perante ultimato da ministra

Após o Jornal Expresso ter noticiado que Ana Paula Martins deu 60 dias à Direção Executiva do SNS (DE-SNS) para entregar um relatório sobre as mudanças em curso, o HealthNews esclareceu junto do Ministério da Saúde algumas dúvidas sobre o despacho emitido esta semana. A Direção Executiva, para já, não faz comentários.

FNAM lança aviso a tutela: “Não queremos jogos de bastidores nem negociatas obscuras”

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) disse esta sexta-feira esperar que, na próxima reunião com o Ministério da Saúde, “haja abertura para celebrar um protocolo negocial”. Em declarações ao HealthNews, Joana Bordalo e Sá deixou um alerta à ministra: ” Não queremos jogos de bastidores na mesa negocial. Não queremos negociatas obscuras.”

SNE saúda pedido de relatório sobre mudanças implementadas na Saúde

O Sindicato Nacional dos Enfermeiros (SNE) afirmou, esta sexta-feira, que vê com “bons olhos” o despacho, emitido pela ministra da Saúde, que solicita à Direção-Executiva do Serviço Nacional de Saúde (DE-SNS) um relatório do estado atual das mudanças implementadas desde o início de atividade da entidade.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights