Greve aumenta tempo de espera de doentes na maior unidade de saúde de Moçambique

15 de Julho 2023

A greve dos médicos que começou na segunda-feira em Moçambique aumentou o tempo de espera dos doentes no Hospital Central de Maputo (HCM), avançou, em entrevista à Lusa, o diretor clínico da maior unidade de saúde do país.

“Nós temos todas as urgências a funcionar, mas com um número pequeno de médicos […]  Tivemos de apertar o cerco da triagem para não deixarmos doentes em situação grave de lado e os outros são explicados que o processo demorará o tempo que demorar, mas felizmente serão atendidos”, explicou António Assis.

Em causa está a greve nacional convocada pela Associação Médica de Moçambique (AMM) em protesto contra cortes salariais e falta de pagamento de horas extraordinárias.

No Hospital Central de Maputo, do universo de cerca de 600 médicos, a greve está a ser promovida maioritariamente por médicos em especialização, que são a maioria naquela unidade de saúde, segundo o diretor clínico.

Os serviços de urgência estão entre os departamentos mais afetados pela greve, embora continuem a funcionar em resultado dos esforços dos médicos que não aderiram ao protesto, maioritariamente seniores, observou António Assis.

A AMM exige que o Governo moçambicano implemente o acordo alcançado sobre a reposição de cortes salariais provocado pela materialização da nova Tabela Salarial Única (TSU) e proceda ao pagamento de horas extraordinárias.

“A classe médica aderiu de forma efusiva à greve, embora evidentemente com algum grau de tristeza, na medida em que a nossa função é salvar vidas”, explicou Napoleão Viola, porta-voz da AMM, sublinhando que se trata de uma greve em que os serviços mínimos continuam a ser prestados nas unidades de saúde.

A agremiação estima que 78% dos médicos de um universo de 3.000 profissionais na função pública estejam em greve.

“Tivemos a última sessão de negociação há quase uma semana e até hoje não houve consenso nenhum”, observou Napoleão Viola, criticando uma alegada falta de sensibilidade por parte do executivo moçambicano no que diz respeito à classe.

Esta é a segunda greve dos médicos em menos de um ano, após a suspensão de uma outra convocada em dezembro, com a ausência de resultados nos entendimentos alcançados com o Governo nas negociações realizadas no final do ano passado.

Além dos médicos, a Associação dos Profissionais de Saúde Unidos e Solidários de Moçambique também esteve em greve no mês passado em contestação à aplicação da nova tabela salarial, tendo dado um prazo de 60 dias ao Governo para resolver, pelo menos, uma parte das reivindicações dos profissionais.

A implementação da nova tabela salarial na função pública está a ser alvo de forte contestação por parte de várias classes profissionais, com destaque para os médicos, juízes e professores.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

APAH defende autonomia após ministra anunciar auditoria

 A Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH) defendeu hoje autonomia para as administrações tomarem decisões, depois de a ministra da Saúde anunciar a criação de uma comissão para auditar os conselhos de administração dos hospitais.

Enfermeiros denunciam situação “explosiva” na Linha SNS 24

A Linha SNS 24 vive uma situação “explosiva” e, entre os enfermeiros que prestam serviço nesta linha de atendimento, já se fala em paralisação. A denúncia é feita pelo Sindicato dos Enfermeiros (SE), que teve conhecimento do caso por meio de uma exposição dos enfermeiros que ali prestam serviço, em tempo parcial.

Violência contra a pessoa idosa em debate

A Câmara Municipal de Ponta Delgada (São Miguel, Açores) promove na próxima sexta-feira, às 9h30, uma palestra subordinada ao tema da consciencialização da violência contra a pessoa idosa, isto na véspera do dia mundial que lhe é dedicado pela Organização das Nações Unidas.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights