Investigadores criam sistema que direciona fármacos aos tumores gastrointestinais

26 de Janeiro 2024

Investigadores do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S) da Universidade do Porto desenvolveram um sistema que direciona fármacos a tumores gastrointestinais de forma a aumentar a eficiência do tratamento e reduzir os efeitos secundários, foi hoje divulgado.

Trata-se de uma nanopartícula que tem como objetivo encapsular os fármacos e conduzi-los diretamente às células do cancro gastrointestinal, contribuindo para atenuar o crescimento dos tumores.

Citado num comunicado do Instituto Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS) da Universidade do Porto, onde também é docente, o líder do grupo Glycobiology in Cancer, no i3S, explica que esta investigação “inovadora” tem como objetivo “aumentar a eficiência e reduzir os efeitos secundários”.

“Ao direcionar os fármacos para o tumor, esta espécie de cápsula permite aumentar a eficiência e reduzir os efeitos secundários tão indesejados que muitas vezes constituem limitações ao próprio tratamento”, refere Celso Reis.

Já o investigador Bruno Sarmento acrescenta que o nanossistema “tem como grande arma a utilização de partículas que carregam as drogas modificadas e são revestidas com anticorpos direcionados para as alterações presentes no cancro gastrointestinal”, revelando-se “uma estratégia promissora num tipo de cancro muito desafiante para a ciência”.

“O cancro gastrointestinal tem uma incidência relativamente alta no mundo, nomeadamente em Portugal, e infelizmente tem um prognóstico muito negativo, principalmente se for detetado em estádios avançados”, refere o investigador, citado no comunicado do ICBAS.

De acordo com o instituto, os resultados em modelos animais permitiram verificar uma maior eficiência do fármaco quando encapsulado na nanopartícula, se comparado com a sua administração não direcionada.

“Em estudos clínicos, esta droga revelava-se bastante citotóxica, causando efeitos secundários adversos (…). Os ensaios laboratoriais permitiram ainda verificar uma redução significativa na proliferação dos tumores tratados através deste método, já que, nos modelos animais estudados, verificou-se um menor crescimento tumoral”, acrescenta a investigadora Joana Gomes que também participa no estudo.

A investigadora destaca que “a utilização destas moléculas como alvo nas células tumorais e a possibilidade de libertar drogas de forma controlada, abre um leque de possibilidades terapêuticas inovadoras”.

Com os resultados obtidos a nível experimental, o projeto encontra-se em fase de valorização da tecnologia e captação de financiamento com vista a possíveis ensaios clínicos.

Por fim, destacando que esta “estratégia inovadora” resulta de anos de investigação na identificação das modificações moleculares que ocorrem no cancro, realizada pelo grupo Glycobiology in Câncer, o ICBAS revela que este estudo foi concretizado num trabalho de doutoramento da estudante Francisca Diniz.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights