Ucrânia: Guerra forçou crianças a passar milhares de horas em abrigos

23 de Fevereiro 2024

As crianças ucranianas que foram obrigadas a permanecer na linha da frente passaram entre três mil e cinco mil horas em abrigos durante ataques aéreos nos últimos dois anos, calculou hoje a agência da ONU para a infância.

Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), os ataques constantes desencadearam cerca de 3.500 alertas de ataques aéreos nas regiões de Zaporijia e Kharkov e quase 6.200 na região de Donetsk desde a invasão da Rússia.

Esta situação tem um “impacto devastador” na saúde mental dos menores.

“Desde o agravamento da guerra em fevereiro de 2022, as crianças ucranianas e as famílias sofreram deslocações, perdas e uma violência implacável”, afirma a UNICEF num relatório divulgado no segundo ano da invasão russa que se assinala no sábado.

As crianças que “foram deixadas para trás” nas zonas de conflito viram a escolaridade e rotinas básicas interrompidas por períodos prolongados, criando “um profundo sentimento de perda, medo, receio e ansiedade”, afirma a UNICEF.

Estas circunstâncias, aliadas ao isolamento, provocam um “medo constante” da própria morte ou da morte de familiares.

“Mesmo quando os bombardeamentos param, o chão que as crianças pisam pode custar-lhes a vida, uma vez que as minas terrestres e outros explosivos cobrem cerca de 30% do país”, alerta a organização.

“Viver num país em guerra durante dois anos tem um custo imenso para as crianças, afetando o estado mental, aprendizagem e desenvolvimento. Os ataques, a destruição, as deslocações e a violência provocaram uma profunda crise de saúde mental e uma deterioração da capacidade de aprender e crescer”, acrescenta o documento.

A UNICEF alertou também que a situação das crianças que conseguem sair das principais zonas de conflito, ou mesmo do país, não é “muito melhor”, uma vez que enfrentam “dificuldades” como o acesso à educação, aos cuidados de saúde ou serviços básicos de proteção.

As perspetivas de regresso a casa tornam-se cada vez mais distantes com o prolongar da guerra.

“Apesar da capacidade de resistência, para muitas crianças, dentro e fora da Ucrânia, a guerra anulou dois anos de escolaridade, de brincadeira e de tempo passado com amigos e familiares”, lamenta a UNICEF.

“O bombardeamento contínuo deixa poucas oportunidades às crianças ucranianas para recuperarem da angústia e do trauma. Cada sirene e cada explosão causam mais ansiedade (…) As crianças precisam que este pesadelo termine,” afirmou a diretora Executiva da UNICEF, Catherine Russell.

O organismo da ONU voltou a sublinhar a necessidade de as partes em conflito permitirem a entrega sem entraves de ajuda e assistência humanitária para tentar aliviar tanto quanto possível a situação destas crianças.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

FNAM lança aviso a tutela: “Não queremos jogos de bastidores nem negociatas obscuras”

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) disse esta sexta-feira esperar que, na próxima reunião com o Ministério da Saúde, “haja abertura para celebrar um protocolo negocial”. Em declarações ao HealthNews, Joana Bordalo e Sá deixou um alerta à ministra: ” Não queremos jogos de bastidores na mesa negocial. Não queremos negociatas obscuras.”

SNE saúda pedido de relatório sobre mudanças implementadas na Saúde

O Sindicato Nacional dos Enfermeiros (SNE) afirmou, esta sexta-feira, que vê com “bons olhos” o despacho, emitido pela ministra da Saúde, que solicita à Direção-Executiva do Serviço Nacional de Saúde (DE-SNS) um relatório do estado atual das mudanças implementadas desde o início de atividade da entidade.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights