Estão a ser feitos estudos em Portugal sobre sequelas em doentes com covid-19 recuperados

12 de Junho 2020

A diretora-geral da Saúde disse hoje que estão a ser feitos estudos em Portugal sobre sequelas em doentes com covid-19 recuperados, mas considerou que ainda é cedo para tirar conclusões.

“Há alguns estudos dispersos pelo mundo. Também estamos a fazer estudos em alguns hospitais, mas com a cautela que temos tido porque ainda é cedo para tirar conclusões, uma vez que os nossos primeiros casos foram a 02 de março e estamos a 12 de junho. Passou pouco tempo para sabermos se isto são sequelas definitivas que vão deixar algum grau de incapacidade ou não”, disse Graça Freitas.

A diretora-geral da Saúde, que falava na conferência de imprensa diária de balanço sobre a pandemia de covid-19 em Portugal, disse que as autoridades portuguesas estão atentas à questão das sequelas e a acompanhar a evolução em outros países, nomeadamente europeus.

“Felizmente a maior parte das pessoas tem uma situação de doença muito ligeira. Essas pessoas recuperam e recuperam até relativamente depressa e voltam à sua vida normal em muito pouco tempo. Depois há as pessoas que ficam internadas, as que ficam internadas em cuidados intensivos e ainda aquelas que são ventiladas e é mais difícil a recuperação”, analisou.

Graça Freitas apontou que “a convalescença com ou sem sequelas é mais demorada” em pessoas que foram internadas em cuidados intensivos e ventiladas, sendo que esses doentes “podem passar processos que levam até semanas para voltar à sua condição física anterior”.

“A questão das sequelas tem de ser muito bem monitorizada para ver se persistem para além do período de convalescença. O que os hospitais fazem sobretudo aos que estiveram em unidades de cuidados intensivos e foram ventiladas é um acompanhamento dos parâmetros que permitem verificar se existem ou não essas sequelas, nomeadamente a nível pulmonar”, concluiu.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 421 mil mortos e infetou mais de 7,5 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.505 pessoas das 36.180 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

Quinze ULS terão equipas dedicadas na área da Saúde Mental

Os primeiros Centros de Responsabilidade Integrados dedicados à Saúde Mental vão arrancar em 15 Unidades Locais de Saúde, numa primeira fase em projeto-piloto e durante 10 meses, segundo uma portaria publicada em Diário da República.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights