Governo são-tomense declara Situação de Calamidade Publica em todo o país

13 de Junho 2020

O governo são-tomense declarou hoje a Situação de Calamidade Publica em todo o país, com efeito a partir da meia noite de terça-feira, revogando o confinamento geral obrigatório que termina por causa da Covid-19 que termina segunda-feira.

“É chegado o momento de começar a delimitar uma estratégia de confinamento faseado da população” após 90 dias de recolher obrigatório, refere um comunicado do Conselho de ministros lido pelo porta-voz, Adelino Lucas.

A Situação de Calamidade Publica prolonga-se até 31 de julho e, de acordo com o comunicado do governo, visa “estabelecer algum equilíbrio entre as medidas preventivas de carater sanitário e o regresso gradual da atividade económica no país”.

O governo aplicou a Situação de Calamidade Publica baseada na Lei da Proteção Civil e Bombeiros, explicando que a mesma “se enquadra perfeitamente na situação que o país vive atualmente em resultado da pandemia da Covid-19”.

De acordo com o comunicado do Conselho de Ministros, o processo de desconfinamento da população será feito em três fazes “com consequente desagravamento das medidas de restrições” em três etapas.

O porta-voz do governo, sublinha que nesta primeira fase, que se prolonga de 16 a 30 deste mês, o governo abre o espaço aéreo apenas para voos comerciais excecionais de repatriamento, apenas com passageiros nacionais ou cidadãos estrangeiros residentes em São Tomé e Príncipe.

O executivo revogou também o processo de confinamento obrigatório imposto pelo Estado de Emergência em Saúde Publica, autorizando a reabertura dos cafés, pastelarias, restaurantes e roulottes em horário reduzido das 07h as 16 h, respeitando as regras sanitárias.

As obras publicas e privadas serão igualmente retomadas e é permitido o regresso aos treinos dos praticantes do desportos individuais.

Adelino Lucas sublinha ainda que as missas e cultos serão retomadas “em dias alternados com ocupação de um terço da capacidade de lotação das igrejas e templo, respeitando as regras gerais sanitárias de forma a diminuir o risco de contágio”.

Já na segunda fase da aplicação Situação de Calamidade Publica, o comércio e serviços gerais entrarão em funcionamento em horário normal, a função publica terá horário normal de expediente com a presença de todos os funcionários, e as aulas presenciais para os alunos do ensino superior, do 12º ano e do ensino profissional, “distribuído por um máximo de 20 alunos por sala”.

Nessa segunda fase que inicia de um a 15 de julho, segundo o comunicado, serão reabertas os estabelecimentos hoteleiros, ‘guest house’ e casinos, museus, teatros, exposições de cultura e artes e bibliotecas.

Nessa altura será aberta igualmente o espaço aéreo e autorizados voos comerciais provenientes dos países da Comunidade de língua Portuguesa (CPLP) respeitando as regras gerais e os regulamentos internacionais.

Serão também autorizadas as visitas aos doentes nos hospitais com exceção daqueles que afetados pelo Covid-19.

Na terceira fase deste processo que inicia a 16 e se prolonga até 31 de julho o governo estabelece o “retorno as ligações aéreas entre as duas ilhas e do transporte dos passageiros por barco e alargará a autorização dos voos comerciais provenientes de todos os países.

O governo adverte neste comunicado que “este processo é dinâmico e estará sob constante avaliação”, sendo que essas medidas “poderão sofrer alteração ou serem reajustadas a qualquer momento, atendendo a evolução da pandemia no nosso país”.

Situação de Calamidade Publica em todo o território nacional é decretada pelo governo no mesmo dia em que o Ministério da Saúde anunciou que o país registou mais nove casos positivos do novo coronavírus através de testes rápidos realizados nas ultimas 24 horas.

Com esses nove casos, aumenta para 659 o número de são-tomenses com infeção por Covid-19 acumulados.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights