ONU alerta para vulnerabilidade de mais de 50 mil crianças devido às perturbações nos serviços de saúde

15 de Junho 2020

A ONU alertou esta segunda-feira que cerca de 51.000 crianças com menos de cinco anos podem morrer este ano no Médio Oriente e Norte de África se continuarem as perturbações nos serviços essenciais de saúde devido à pandemia de Covid-19.

As Nações Unidas destacaram nomeadamente os efeitos na vacinação de rotina.

“Os sistemas de saúde registam uma pressão sem precedentes devido à pandemia de Covid-19 e, embora não haja muitos casos do novo coronavírus em crianças na região, é claro que o vírus afeta diretamente a sua saúde”, sublinham o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) num comunicado conjunto.

Se a perturbação dos serviços de saúde e de nutrição de base continuar, “mais de 51.000 crianças menores de cinco anos podem morrer na região até ao final de 2020”, alerta o texto.

Esta “projeção sombria” deve-se nomeadamente ao facto “de muitos profissionais de saúde da linha da frente terem desviado os seus esforços para responder à epidemia” da Covid-19.

Além disso, “as restrições de movimento e os obstáculos económicos impedem ainda mais o acesso das populações aos cuidados de saúde”, adianta o comunicado.

A UNICEF e a OMS pedem o “recomeço pleno das campanhas de vacinação e dos serviços de nutrição, com medidas de prevenção rigorosas face ao vírus”.

A pandemia causou mais de 433.493 mortos e infetou mais de 7,9 milhões de pessoas no mundo desde o aparecimento do coronavírus em dezembro na China, segundo um balanço da agência France Presse.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

OMS lança iniciativa SPECS 2030

A Organização Mundial de Saúde (OMS) acaba de lançar a iniciativa SPECS 2030, inserida na Global SPECS Network que tem como principal objetivo unir uma rede global de participantes para atingir a meta global do erro refrativo para 2030, que consiste no aumento de 40% na cobertura efetiva desta patologia.

Os enfermeiros (também) são cientistas

Lara Cunha: Enfermeira Especialista em Enfermagem Médico-cirúrgica; Research Fellow na Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

49% das deslocações forçadas no mundo ocorrem em África

Conflitos, alterações climáticas, pobreza extrema e insegurança alimentar fazem disparar deslocações forçadas no continente africano e irão obrigar mais de 65 milhões de pessoas a fugir das suas casas até ao final de 2024. Subfinanciamento surge como principal ameaça à ajuda humanitária.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights