Ministro considera redução de alerta como “grande momento” apesar de críticas ao Governo

19 de Junho 2020

O ministro da Saúde britânico, Matt Hancock, vê a redução do nível de alerta no Reino Unido relativo à Covid-19 um "grande momento para o país” e resultado das medidas do Governo, apesar de críticas feitas esta sexta-feira na imprensa britânica.

“A mudança para um nível de alerta mais baixo do Reino Unido é um grande momento para o país e um verdadeiro testemunho da determinação do povo britânico em vencer este vírus”, afirmou hoje, através da rede social Twitter.

O Reino Unido baixou esta sexta-feira o nível de alerta relativo à pandemia Covid-19 no país para o grau 3, indicando que a taxa de contágio e o perigo para a saúde pública foram reduzidos.

“Houve uma diminuição constante nos casos observados nas quatro nações, e isso continua. Não significa que a pandemia acabou. O vírus ainda está em circulação geral e é provável que apareçam surtos localizados”, justificaram os diretores gerais de saúde de Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte, num comunicado conjunto.

Segundo o ministro da Saúde, a queda da taxa de infeção e o facto de os serviços de saúde públicos não terem ficado sobrecarregados mostra que “o plano do Governo está a funcionar”.

Mas a avaliação dos resultados da estratégia do executivo não é consensual, e hoje a imprensa britânica faz críticas duras aos vários fracassos registados nos últimos meses.

“Quantos mais corona fiascos?”, pergunta o Daily Mail em manchete, a propósito do recuo do Governo no desenvolvimento de uma aplicação de telemóvel própria para o rastreamento de casos de contágio, em desenvolvimento e testes há meses.

Matt Hancock admitiu na quinta-feira que o Governo vai afinal optar pela tecnologia fornecida pela Apple e pela Google, cujos sistemas operativos dominam o mercado dos telemóveis.

“Depois do caos do PPE [equipamento de proteção] e dos testes, o ministro elimina a própria aplicação… e a nova versão poderá nem estar pronta no inverno”, exclama o Daily Mail, normalmente favorável ao governo conservador.

O The Times também considera que este novo solavanco põe em causa o sistema de rastreamento do vírus que o Governo qualificou de crucial para o desconfinamento do país e controlo da pandemia.

Perante o acumular de recuos do governo, o jornal diz em editorial que o primeiro-ministro, Boris Johnson, “precisa de tranquilizar o país de que ele tem realmente um plano para sair desta confusão”.

A revista da edição desta semana Economist, ilustrada com uma bandeira do Reino Unido com buracos em forma de coronavírus, escreve em manchete que esta “não foi o melhor momento” do país.

Num editorial onde reflete sobre os vários passos em falso dados desde o início de março, com destaque ao atraso no confinamento, delibera em editorial: “O Reino Unido tem o governo errado para a crise Covid”.

De acordo com os dados de quinta-feira, o Reino Unido registou desde o início da pandemia Covid-19 42.288 mortos, o mais alto na Europa e o terceiro maior número a nível mundial, atrás dos EUA e Brasil.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Luís Montenegro: “Concordo com a necessidade de valorizar a carreira dos bombeiros e estamos a trabalhar nisso”

Hoje, no debate sobre o estado da nação, o primeiro-ministro respondeu a Inês Sousa Real que concorda que é necessário valorizar a carreira dos bombeiros, mas o Governo está “a trabalhar nisso”, e garantiu que não está desatento à violência doméstica, tendo já avançado com um despacho para a criação de um grupo de trabalho “transversal” no âmbito do apoio à vítima.

Utentes do Médio Tejo elogiam nova Unidade Local de Saúde

Os utentes da saúde do Médio Tejo (CUMST) elogiaram na terça-feira os resultados obtidos com a nova Unidade Local de Saúde (ULS), que agrega a gestão dos cuidados primários e hospitalares, tendo defendido a divulgação dos dados do primeiro semestre.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights